1.ª parte: Dejan Ivanović; 2.ª parte: Manuel Araújo

26 Abril, 2019 pelas 19h00 (sexta)
no Clube de Viseu


Entrada: 5€ ou 2.5€ para público afeto ao Conservatório

1.ª Parte

Dejan Ivanović

Programa

FERNANDO SOR (1778-1839)
Variações Sobre um Tema de Flauta Mágica, Op. 9 (1821)

FRANCISCO TÁRREGA (1852-1909)
Recuerdos de la Alhambra (1896)

JOAQUÍN RODRIGO (1901-1999)
(Arr.: D. Ivanović)
Aranjuez, ma pensée (1939/1988)

ISAAC ALBÉNIZ (1860-1909)
(Tr.: D. Ivanović)
Sevilla Op. 47 (1886)

CARLO DOMENICONI (n. 1947)
Koyunbaba Op. 19 (1985)
Moderato
Mosso
Cantabile
Presto

Ficha Artística

Dejan Ivanović – Guitarra

Biografia

DEJAN IVANOVIĆ
O guitarrista croata Dejan Ivanović nasceu em Tuzla (Bósnia e Herzegovina), em 1976, iniciando os seus estudos de guitarra com 8 anos de idade. Estudou com Predrag Stanković e Vojislav Ivanović na Escola Primária e Secundária de Música, e com Darko Petrinjak na Academia de Música de Zagreb. Participou em masterclasses de John Duarte, Thomas Müller-Pering, Elliot Fisk, Costas Cotsiolis, Valter Dešpalj (violoncelo), Michael Steinkühler (viola da gamba) e Igor Lešnik (percussão). Foi orientado por Christopher Bochmann no Curso de Doutoramento da Universidade de Évora entre 2011 e 2014. A sua carreira profissional começou simultaneamente com o estudo superior (1994-1998). Atuou nalguns dos mais prestigiosos festivais de música como Festival de Spoleto (convidado pessoalmente pelo maestro Gian Carlo Menotti para o lugar de Artista Residente), Festival de Verão de Edimburgo, Festival de Costa de Estoril, Festival de Guitarra de Gevelsberg, Porto — Cidade Europeia da Cultura e Guitarra Viva (Croácia), entre outros. Atua também integrado em vários conjuntos de música de câmara: com flautista Vasco Gouveia, violoncelista Jed Barahal, guitarrista Masakazu Tokutake, soprano Ana Ester Neves, Quarteto de Cordas Lyra, etc. É o vencedor do 1.º Prémio e Prémio especial para Melhor Interpretação da Música Espanhola no 13.º Concurso Internacional de Guitarra Doña Infanta Cristina (Madrid, 1998); 1.º Prémio do 3.º Concurso Internacional da cidade de Sinaia (Roménia, 1998); 1.º Prémio do 17.º Certamen Internacional de Guitarra Andrés Segovia (Herradura, 2001); 1.º Prémio e Prémio do Público no 35.º Certamen Internacional de Guitarra Francisco Tárrega (Benicássim, 2001); 1.º Prémio do 4.º Concurso Internacional de Creta (Arhanes, 2005). É igualmente premiado nos concursos em Roma
(Itália) e Sernancelhe (Portugal). Colabora com várias orquestras como a Orquestra Real de Câmara de Wallonie (Bélgica), Orquestra de Benicássim (Espanha), Orquestra de Câmara da Eslováquia, Orquestra Sinfónica de Vojvodina (Sérvia), Orquestra Sinfónica das Beiras e Orquestra Metropolitana de Lisboa. Os seus recitais na Europa, África, América do Norte, América do Sul e Ásia receberam uma forte aceitação por parte do público e da crítica. Revistas e jornais como Ritmo (Espanha), Bremer Umchau (Alemanha), Sunday Herald Times (Indiana-EUA), The Scotsman (Escócia), Slobodna Dalmacija (Croácia) e Oslobodjenje (BiH) publicaram críticas positivas sobre em relação às suas interpretações. A revista espanhola Ritmo descreve Dejan como (…) corajoso, sensível jovem artista com uma técnica supreendente e uma musicalidade e criatividade em cada nota e frase (…) (1998). Em Zagreb (Croácia), D. Komanov, escreve o seguinte sobre a arte de Ivanović:
[…] Interpretando um programa contrastante, enfatizado pela qualidade e peculiaridade de obras como Peças Líricas de Arregui e Sonatas de Bennett e Rózsa, Ivanović apresentou o concerto com um discurso interpretativo profundamente pessoal, pensativo e inspirado. No coração da sua abordagem, distinta por um tratamento do texto extraordinariamente claro e preciso, existe uma resolução de uma detalhada relação com a forma musical, onde as suas interpretações crescem e se desenvolvem pela perspicuidade da inteireza rica e complexa de cada obra. Articulando a tensão interior gerada pelo corpo musical, Ivanović nunca excede a margem invisível do externo ou do profano relativamente à dinâmica da expressão, mas sim, desvela uma paisagem delicada de introspeção para a perspetiva estabelecida do ouvinte. A paleta do som, bem como uma quase-perfeita qualidade geral de estrutura e imagem sonora em projeção, são caracterizadas pela acentuada expressão intimista — como um eco de rica herança alaudista. De alguma forma, isso foca a atenção para a plasticidade em relação à proximidade do enquadramento da singularidade estética de cada composição, dado que Ivanović sublinha elementos essenciais com o seu modo particular de comunicação, rico, sobretudo, em aspeto narrativo, mas igualmente claro e reflexivo. Por isso é que Rêverie op. 19 de Regondi brilhará com uma simplicidade espontânea e um certo charme de expressão baseada numa abordagem romântica visando a forma musical, Peças Líricas de Arregui serão marcadas pelo gesto de expansão livre de som que molda as suas camadas de relevo. A interpretação da Sonata de Bennett marcou o discurso de restrição, redução e de uma forte dinâmica interior com um extraordinário formato de som altamente preciso, que forneceu a receção total de uma obra tão complexa e tremendamente exigente na sua forma. Na Sonata de Rózsa foi interessante observar a transformação da retórica interpretativa do guitarrista, relacionada com a nitidez na separação do seu material.” (klasika.hr [Croácia], Janeiro de 2012)
A sua discografia a solo é constituída por CD Recital na Laureate Series da NAXOS (2002) com obras de Matilde Salvador, Anton García Abril, Frederic Mompou, Richard Rodney Bennett, Malcolm Arnold, Gordon McPherson e Francisco Tárrega, e por CD Mediterraneo (gravado em 2001, aguarda publicação) com obras de Boris Papandopulo, Vicente Asencio, Antonio José Martínez Palacios, Joaquín Rodrigo, Carlo Domeniconi e Mario Castelnuovo-Tedesco. Em 2013, gravou a obra Em Memória da Madrugada de Marina Pikoul para guitarra e orquestra com a Orquestra Clássica do Centro, sob a direção do maestro David Wyn Lloyd. Christopher Bochmann, Marina Pikoul, Tomislav Oliver, João Madureira, Jorge Pereira, Ricardo Abreu, Francisco Chaves e Carlos Gutkin são alguns dos compositores que dedicaram as suas obras para Dejan. Integra desde 2004, juntamente com o guitarrista grego Michalis Kontaxakis, o Duo de guitarras Kontaxakis-Ivanovich. O primeiro CD deste Duo, intitulado Les Deux Amis e gravado pelo produtor Hubert Kappel em Colónia (Alemanha), foi lançado em 2010 pela Editora KSG EXAUDIO. Em 2005 cria o Festival Internacional Guitarmania em Lisboa do qual é diretor artístico até 2010. É desde 2007, professor de guitarra no Departamento de Música da Universidade de Évora. É doutorado em Música/Interpretação desde Março de 2015 com o tema Colaboração Entre Compositor e Intérprete na Criação de Música para Guitarra: Estudo do Processo Editorial no Repertório de Inglaterra, Croácia e Portugal.

2.ª Parte

Manuel Araújo

Programa

CLAUDE DEBUSSY (1862-1918)
Brouillards
Les fées sont d’exquises danseuses
La terrace des audiences de Clair de Lune
Etude pour les “Cinq Doigts”

MAURICE RAVEL (1875-1937)
Oiseaux tristes*
Une barque sur l’océan*
Alborada del Gracioso*
*de Miroirs

Ficha Artística

Manuel Araújo – Piano

Biografia

MANUEL ARAÚJO
Nasceu no Porto, em 1983. Iniciou os seus estudos musicais aos 5 anos de idade, em regime particular, com os professores Norma Graça-Silvestre e Felipe Nabuco Silvestre.
Seguiu os estudos na Holanda, a partir de 2002, sob orientação de Aquiles Delle Vigne, diplomando-se “Cum Laude” na Codarts, Escola Superior das Artes de Roterdão.
Estudou pontualmente ainda com músicos como Mikhail Voskresensky, Angela Hewitt, Jean-Bernard Pommier, Ronald Brautigam, Gabriel Kwok, Helena Sá e Costa, Sequeira Costa, Fausto Di Cesare, Adriano Jordão, Luiz de Moura Castro, Emanuel Krasovsky, Enrico Pace, Gary Hoffman e Choong Mo Kang.
Estreou-se como profissional no ano 2000, após obter por unanimidade o 1.° Prémio Nacional de Jovens Pianistas da Fundação Rotária Portuguesa, dedicado a Helena Sá e Costa e com júri presidido pela mesma.
Obteve o primeiro prémio em diversos concursos em Portugal, França, Holanda, Espanha, Bélgica, Japão e Itália, destacando-se o Premier Prix do 89th Concours International Léopold Bellan de Paris e do 34th Yokohama International Piano Concert, e ainda S. Sebastião (Espanha), Mascia Masin e F. Zadra (Itália), Primavera Pianistica (Bélgica), Codarts Virtuoso Piano Competition (Holanda) e o Prémio Especial Luso-Brasileiro Maria Campina.
Foi também premiado pelo Concurso Internacional de Piano Interfest (Macedónia), no Prémio Jovens Músicos RDP e pela Juventude Musical Portuguesa.
Recebeu prémios especiais do júri no Concurso Internacional Cidade de S. Sebastião (Melhor interpretação de Scriabin) e no Concurso Musical Internacional “Riviera del Conero” (Jovem Talento).
Foi um dos 36 finalistas do Concurso Internacional de Piano da Austrália em Sydney e um dos oito semifinalistas, entre todos os instrumentos, do prestigioso Vriendenkrans Concours da Orquestra Concertgebouw, no Concertgebouw de Amsterdão e um dos 3 finalistas, também entre todos os instrumentos, do Prémio Novos Talentos Ageas/Casa da Música 2017. Obteve o Prémio “Melhor Pianista Português” no XVII Concurso Internacional de Música “Vianna da Motta”, em 2010.
Atuou em Portugal, Espanha, França, Holanda, Israel, Austrália, Itália, Alemanha, Rússia, Bélgica, Brasil, Austria, Macedónia, Japão e Taiwan.
Destacam-se as suas atuações no Teatro Imperial Hermitage e no Teatro Briantzev em S. Petersburgo, no Stadsschouwburg e Concertgebouw de Amsterdão, no Lucent de Haia, no Teatro de Jerusalem, na Sala Philips do Stadsschouwburg de Eindhoven, no Theater aan het Vrijthof em Maastricht, no Theater De Vest em Alkmaar, nos Schouwburg de Roterdão, Utreque e Leiden, na Accademia Filarmonica Romana, na Kawai Omotesando Tokyo e no Carrie Chang Fine Arts Center de Taipei.
Atuou ainda na Sala Suggia da Casa da Música, Museu Gulbenkian, no Teatro S. Luiz, no Teatro S. Carlos, no Grande Auditório CCB, Auditório da Fundação Serralves, na Sala Gótica do Hôtel de Ville de Bruxelas, no Teatro Nacional de Bitola, na Wiener Zaal do Altes Mozarteum de Salzburgo, na Salla Filarmonica de Trento, no Concertgebouw De Doelen de Roterdão, no Altes Handelsboerse e Mendelssohnhaus de Leipzig, no Palácio de S. Clemente no Rio de Janeiro, no Centro Musical Felicja Blumental de Telavive e no Seymour Centre de Sydney.
Cooperou, entre 2006 e 2009, com o coreógrafo Ton Simons e a companhia Dance Works Rotterdam, nas produções Human Figures e Moving Being, numa parceria que apresentou o primeiro livro do Cravo Bem Temperado de J. S. Bach pelas principais salas de todas as cidades dos Países Baixos.
Dedica-se com regularidade à divulgação do património musical português.
Efetuou primeiras audições modernas e estreias mundiais de obras de Frederico de Freitas, J. D. Bomtempo, Nicolau Ribas e António Fragoso. Foi-lhe dedicada a obra “Bamboleio”, de Alexandre Delgado.
Atuou com transmissão em direto para a Euroradio (EBU), Kol Ha Musica IBA (Israel), RTP2 e Antena 2, e para a ABC Classic (Austrália). Tem discos gravados para o selo Codarts, com obras de Prokofiev e Stravinsky, e para a Associação António Fragoso.
Foi convidado a atuar nos Festivais de Sintra, Mafra, Cistermúsica Alcobaça, Quatro Estações de Vidago, Euro-Mediterraneo (Calabria), Sommerakademie Mozarteum Salzburgo, Openlook S. Petersburgo, Forum Internacional Torrelodones, Cap Ferret, Festa na Baixa CNC e no Rotterdam Operadagen, onde atuou na apresentação da integral das transcripções de ópera de Liszt, interpretando Reminiscences de D. Juan.
Como solista, atuou com a Sinfonia Rotterdam, Orquestra Nacional do Porto, Rotterdam Ensemble, Orquestra Filarmónica da Macedónia, Orquestra Clássica de Espinho, Orquestra do Norte, Orquestra Sinfónica do Atlântico e Orquestra Filarmonica di Stato “P. Constantinescu” de Ploiesti (Roménia), entre outras, sob direção de Lior Shambadal, Conrad van Alphen, Marc Tardue, Anton Nanut, Manuel Ivo Cruz, Sergio Alapont, Roberto Beltrán, José Ferreira Lobo, Ahmed El Saedi, Artur Pinho Maria, Roberto Misto, Enrique Bátiz e Claudio Cohen.
Foi professor assistente de piano da Escola Superior de Música de Roterdão (Codarts), da Schola Cantorum de Paris e convidado a dar masterclasses e conferências para a Kawai Omotesando de Tokyo, Chinese Culture, National Chiao Tung e Chung Yuan Universities, Taipei, Conservatório Nacional de Lisboa, Universidade de Coimbra, Esproarte e foi jurado do Taiwan International Piano Ensemble Competition.
É cofundador, membro da direção e professor da Academia Internacional de Música “Aquiles Delle Vigne”, do Coimbra World Piano Meeting e do Encontro Internacional de Piano de Sardoal.