Concurso Internacional de Piano de Viseu

Júri

O Júri do 4.º Concurso Internacional de Piano de Viseu é composto por 9 elementos oriundos de 6 países. Este é um painel que reúne enormes talentos e cuja experiência nos assegura que a escolha do vencedor está em boas mãos.
Presidente do Júri

Marian Rybicki (França/Polónia)

Diretor Artístico do Concurso e Presidente do Júri

Jorge Martins (Portugal)

Diretor Artístico do Concurso e do FIMPViseu

José Carlos Sousa (Portugal)

Júri

Aquiles delle Vigne (Argentina)
Iryna Polstiankina (Ucrânia)
Ewelina Panocha (Polónia)
Paolo Baglieri (Itália)
Manuel Araújo (Portugal)
Luísa Tender (Portugal)

Marian Rybicki

Detalhes sobre os Jurados


MARIAN RYBICKI
Como pianista e como professor, Marian Rybicki junta duas das mais consagradas tradições pianísticas, tendo estudado na Academia Frederic Chopin de Varsóvia (classe de Zbigniew Drzewiecki) e no Conservatório de Paris (classe de Pierre Sancan).
Depois de uma carreira como pianista recheada de êxitos, principalmente na Europa de Leste, mudou-se para Paris onde se dedicou à sua carreira como pedagogo. Desde 1979 que é titular de uma das mais reputadas classes de piano da École Normale de Musique de Paris/Alfred Cortot, e efetua masterclasses através de toda a Europa, Ásia e E.U.A.
Muitos dos seus alunos foram premiados nos mais importantes Concursos Internacionais incluindo Chopin em Varsóvia (1990 e 2005), Santander (Primeiro Prémio 1978), Leeds (Primeiro Prémio 2009), Marguerite Long – Jacques Thibaud (Primeiro Prémio em 2004), Hamamatsu (Primeiro Prémio em 2012), Arthur Rubinstein Tel Aviv (Primeiro Prémio em 2014), Bucharest-George Enesco (2014), Busoni, Porto, Geza Anda, Geneva.
Além disso, M. Rybicki tem integrado júris de muitos Concursos Internacionais – Monte Carlo, Porto, Pequim (1999 e 2014), Moscovo (Chopin-Jovens Pianistas e Scriabin), Xangai, Tóquio (PTNA), Bolzano (Busoni), Kiev (Horowitz), Monte Carlo, Porto, Tbilisi, Jaen, Rio de Janeiro, Macau, Hong Kong, entre outros.
De 1975 a 1995, foi Conselheiro para a Música do Centro Nacional das Obras Universitárias e Escolares de Paris.
Em 1993 fundou e tornou-se Diretor Artístico da Associação Animato. Neste papel, para além da promoção de inesquecíveis temporadas de Concertos, fundou e participou na fundação de vários concursos internacionais, cuja particularidade é o facto de o público participar na atribuição dos prémios, entre eles: Grand Prix Animato” (Paris), Morocco Philharmonic International Piano Competition (Casablanca and Rabat), Prix du Piano Interlaken Classics (Berna), Nuits Européennes du Piano (Luxemburgo).
Pelo conjunto das suas atividades, Marian Rybicki foi condecorado com a Cruz de Ouro da Ordem de Mérito.

Paula Sobral


JORGE MARTINS
Nasceu no Porto, em 1954, cidade onde efetuou os seus estudos, tendo concluído os Cursos Superiores de Piano e de Canto do Conservatório de Música do Porto, nas classes de Hélia Soveral e Fernanda Correia, respectivamente. Simultaneamente concluiu a Licenciatura em Economia na FEP.
Completou a sua formação pianística frequentando inúmeros seminários, estágios e cursos orientados por M. Rybicki, J. Fassina, C. Helffer, M.F. Bucquet, V. Perlemüter, S. Costa, Constantin Illiescu, entre outros.
Tendo-se dedicado em exclusivo à Música, integrou o Grupo de Música Vocal Contemporânea do Porto, participando na gravação de vários discos, programas de rádio e de televisão e em inúmeros concertos e festivais em Portugal, Espanha e Alemanha (Berlim). Integrando o Grupo Instrumental da Oficina Musical do Porto, teve participações a solo, como acompanhador ou integrado em diferentes formações instrumentais em todos os festivais realizados em Portugal e Espanha, e ainda na Alemanha e na Colombia. Realizou Concertos e Recitais, não só a solo mas também com nomes como Oliveira Lopes e Palmira Troufa, entre outros, por todo o país e em Espanha e França.
Desenvolveu uma intensa atividade docente, na Escola de Música do Porto, na Escola Profissional de Música do Porto e no Conservatório Regional de Viseu onde continua a ser professor, sendo Coordenador do Grupo Disciplinar de Piano e integrando o Conselho Pedagógico. Completou a Profissionalização em Exercício, com elevada classificação profissional, na Universidade de Aveiro. Tem visto alunos por si preparados serem premiados em Concursos Nacionais e, inclusivé, obterem Diplomas Superiores na École Normale de Musique de Paris.
Nos últimos anos tem integrado regularmente júris de Concursos Internacionais (Concurso Internacional Cidade do Porto, Grand Prix Animato em Paris, Piano Campus em Pontoise, Concurso Internacional de Música de Marrocos, Premio Giuliano Peccar em Gorizia-Itália, Concurso de Rhodes na Grécia, Concurso Ásia-Pacífico em Macau, Hong Kong-Ásia Open Piano Competition, Figueira da Foz International Prize, entre outros). Integra o júri do Concurso Nacional de Música de Marrocos (Piano), sendo presidente do Júri delegado, juntamente com Abdel Rhaman El Bacha. Fundou os Encontros Internacionais de Jovens Pianistas em Viseu e realizou, com Marian Rybicki, Academias de Verão no Conservatório Regional de Viseu.
É DireTor Artístico e Presidente do Júri do Concurso Internacional de Piano de Viseu.

José Carlos Sousa


JOSÉ CARLOS SOUSA
José Carlos Almeida de Sousa nasceu em Viseu – Portugal, em 1972. Iniciou os seus estudos musicais no Conservatório Regional de Música Dr. Azeredo Perdigão, na sua cidade natal onde concluiu o curso geral de composição em 1995.
Em 1996 prossegue os seus estudos na Universidade de Aveiro, onde concluiu a sua Licenciatura em Composição, no ano de 2000.
Estudou composição e música eletrónica com Evgueni Zoudilkin, João Pedro Oliveira e Isabel Soveral. Frequentou ainda vários seminários de composição e música eletrónica orientados pelos compositores; Jorge Antunes, Alain Sève, Tomás Henriques, Flo Menezes, François Bayle e Emmanuel Nunes.
Em Junho de 2005 concluiu, na Universidade de Aveiro, um mestrado em música com especialização em composição, subordinado ao tema “O Timbre e suas Metamorfoses no Processo Composicional da Música Electroacústica”.
Já lecionou na Universidade de Aveiro e no Instituto Piaget em Viseu.
Foi, conjuntamente com Paula Sobral, organizador e diretor artístico do Concurso e Festival Internacional de Guitarra Clássica de Sernancelhe, até a sua 15.ª edição.
Desde 2008 que organiza e é o Diretor Artístico do Festival Internacional de Música da Primavera de Viseu.
Em 1995 ganhou o primeiro prémio do 1.º concurso de composição do conservatório onde estudou, com a obra infantil para piano, “Almofada”.
No Concurso de Composição Eletroacústica “Música Viva 2000”, foi agraciado com uma Menção Honrosa. Em Abril de 2001 foi premiado com a sua obra “Viagem” no referido concurso, integrado na Porto 2001 Capital Europeia da Cultura.
As suas últimas obras, resultam da encomenda de várias instituições nacionais e internacionais e a sua música tem sido tocada em várias cidades portuguesas e em vários festivais de música: Festival Música Viva (Portugal), Primavera en La Habana (Cuba), Aveiro Síntese (Portugal), “33e Festival International des Musiques et Créations Electroniques” (Bourges – França), Concurso e Festival Internacional de Guitarra (Sernancelhe – Portugal), 14th World Saxophone Congress (Eslovénia), “Guitarmania” – Festival Internacional de Guitarra Clássica (Almada – Portugal), Festival de Guitarra de Palência (Espanha), Festival Dias de Música Eletroacústica (Seia – Portugal), “Síntese” – Ciclo de Música Contemporânea da Guarda (Portugal), Festival Internacional de Guitarra de Santo Tirso (Portugal), Festival Internacional de Música da Primavera de Viseu (Portugal), 8e Festival International Guitar´Essonne – (Paris – França), Dias de Música Eletroacústica no Santa Cruz Air Race (Portugal), VIII Festival de la Guitarra de Sevilla (Espanha), Tempo Reale Festival 2018 Florença (Itália).
Atualmente é professor de composição no Conservatório de Música de Viseu, exercendo também o cargo de Diretor Pedagógico do Conservatório desde 2004.

Aquiles Delle Vigne


AQUILES DELLE VIGNE
«Poucos pianistas podem ir de um brilhante Mendelssohn até um retumbante Liszt passando por um aristocrático, sofisticado e encantador Ravel…» diz Harold Schoenberg do New York Times. O jornal italiano La Repubblica chama-lhe «um príncipe do piano…» e o PRS Rheinische Post «um grande senhor entre os pianistas…». O SVZ Salzburger Volkszeitung intitula a sua crítica «Do silêncio à força do aço».
Nascido na Argentina, Aquiles Delle Vigne deu o seu primeiro recital aos 8 anos. Aos 17 já era discípulo de Claudio Arrau e ganhou o restigiado Grande Prémio «Albert Williams». Este prémio abriu-lhe as portas das mais inportantes salas de concerto do continente. Depois completou a sua formação na Europa com o Prof. Eduardo Del Pueyo e com Georges Cziffra.
Realizou mais de 25 tournées no Japão, 10 na Austrália, bem como nos Estados Unidos da América, no México, em Hong-Kong, na Coreia e em toda a América do Sul. Temsido convidado pelos mais importantes festivais e apreseta-se nas mais importantes salas de concerto do mundo, Gstaad, Paris, Salzburgo, Madrid, Euro Festival em Seoul, Beethoven Festival, e foi dirigido por Lord Yehudi Menuhin, Leopold Hager, Georges Octors, Alberto Lysy, Lee Dong-ho, Bogo Leskowitch, Vladimir Kim, Emiel Simon, Edvard R. Tchivtzel, André Vandernoot, Edgard Donneux, Kamen Goleminov, Juan Carlos Zorzi, Jesus Medina, Claudio Santoro, Henrique Morelenbaum, D. Marinescou, Laurent Petit-Girard, com as mais importantes orquestras do mundo.
Também considerado um professor de topo no mundo, Aquiles Delle Vigne dá Masterclasses na International Sommerakademie Universität Mozarteum Salzburg, foi Visiting Professor no Royal Northern College of Music em Manchester e Professor Extraordinaire da National University em Taipei. Também é regularmente convidado pela Juilliard School, Manhattan e Mannes Schools de Nova York, pelo Conservatório Tchaikovsky de Moscovo e pelo Conservatório Korsakov de São Petersburgo, pelos Conservatórios Central e China de Pequim, pela Universidade Toho de Tóquio, pelas Hochschules de Munique, Weimar e Hamburgo, pelas Universidades de Viena, Seoul, Sydney, Melbourne, Pretória, Baltimore, Texas, Indiana, Osaka, Kyoto, Bangkok, Tel Aviv, Oslo, Lucca, Bergen…
Tem sido membro ou Presidente do Júri dos mais importantes Concursos Internacionais nos cinco continentes: Sydney, Pretória, Cincinatti, Xiamen, Georgia, Turin, Paris, Texas, Casagrande, Masters de Monte-Carlo, Roma e Varsóvia.
A sua vasta discografia (EMI His Master’s Voice, BASF Harmonia Mundi, BMG-RCA Victor, Naxos, Pavane e EMSsem) recebeu notáveis louvores e distinções. A sua interpretação dos Préludes de Olivier Messiaen perante o Papa João Paulo II, no Vaticano, mereceu os mais rasgados elogios do compositor.
Aquiles Delle Vigne acabou recentemente de gravar a integral das 32 Sonatas para Piano de Beethoven, que se vem juntar a outras integrais como a dos Estudos de Liszt, a da Música de Camera de Ravel (com Alberto Lysy) e a dos Concertos para Piano e Orquestra de Beethoven.

Iryna Polstiankina


IRYNA POLSTIANKINA
Iryna Polstiankina é pianista e artista de Honra da Ucrânia.
Acumula cargos como Diretora Executiva do Concurso Internacional de Jovens Pianistas em Memória de Volodymyr Horowitz e Presidente do Fundo Internacional de Caridade de Vladimir Horowitz.
É Chefe do departamento educacional e metódico, professor associado da faculdade de arte musical do R.Glier Kyiv Academy of Music .
É Diretora Executiva do Festival Internacional “Kyiv Summer Music Evenings” desde 1999, do Festival Internacional “Virtuosos do Planeta” (Kyiv 2006-2010), da “Academia Internacional de Música de Verão”, Kyiv desde 2000.
Foi responsável pela organização do Festival Internacional dedicado ao 100º aniversário do nascimento de Volodymyr Horowitz Kyiv – Nova Iorque – Moscovo, 2003 com a participação do concurso Horowitz Prizewinners e do Maestro Mykhail Pletnev.
Organizou as tournées de concertos dos Prémios do concurso Horowitz na Ucrânia, Rússia, EUA, Grécia, Geórgia, Coreia, Croácia, Noruega, França, Itália, Japão, etc.

Ewelina Panocha


EWELINA PANOCHA
Solista, acompanhante e pedagoga. Licenciou-se na Escola de Música de Tarnów em Jarosław onde realizou a Aula de piano de Iwaneczka. Continuou a sua educação musical sob a orientação de Ewa Bukojemska na Academia de Música de Cracóvia, que completou com distinção em 2004. Mais tarde, aceitou um emprego como professora e acompanhante no Complexo Escolar de Música em Tarnów. É laureada nos concursos de piano em Antonin e Cracóvia, entre outros, e é bolseira do Conselho do Primeiro Ministro em 1997-1998. Trabalhou como acompanhante no Concurso Internacional Heinrich Wilhelm Ernst e Karol Szymanowski de Violino em Wrocław (2012). Em 2016 foi galardoada com o 4º prémio no Concours Musical de France, e em 2017 foi semi-finalista no Concurso Internacional de Piano Jean Françaix, em Paris. Participou nos festivais da Semana dos Talentos em Tarnów e Kąśna Dolna and Emanations.
Em 2016, gravou August Duranowski’s Fantasia Op. 9, que, juntamente com outras obras deste compositor, foi incluída no álbum da editora Acte Préalable. A pianista também estudou em masterclasses com Janusz Olejniczak, Elżbieta Tarnawska, Waldemar Wojtal, Katarzyna Popowa-Zydroń, Boris Berman e Andrzej Jasiński, entre outros.

Paolo Baglieri


PAOLO BAGLIERI
Paolo Baglieri é uma das personalidades mais proeminentes da sua geração. Aclamado como “um pianista que mistura perfeitamente a sua visão pessoal com as ideias do compositor”, venceu muitos concursos internacionais de piano.
Apresentou-se em Itália, França, Bélgica, Holanda, Espanha, Áustria, Palestina, Israel e Chile para mais de 300 concertos em algumas das mais importantes salas, como Taormina, Catania, Lucca, Roma, Turim, Pistoia, Bolonha, Verona, Castelo de Galeazza, Salzburgo, Amsterdão, Roterdão, Paris, Bruxelas, Castelo de Ursel, Haifa, Jerusalém, Madrid, Santiago do Chile, entre outras.
Foi professor de piano no Conservatório de Música de Jerusalém e ensinou nos Conservatórios de Pavia e Siena em Itália. É regularmente convidado como membro do júri de concursos internacionais de piano, como Treviso, Concurso Internacional de Piano Paderewski, Enschede, Campillos, Mayenne, Bruxelles, Brasov, Madrid, Yerevan, Clavicologne, Concurso Internacional de Piano de Malta, Concurso Aberto de Piano Alemão de Berlim, Jogos de Música Eurasiática de Astana, Concurso Internacional de Piano de Moscovo, Premio Musicale “Làszlò Spezzaferri” de Verona, Concurso Internacional de Piano da Transilvânia, Concurso Internacional de Piano de Lyon, Concurso Internacional de Piano MozARTe, entre outros.
Atualmente exerce o cargo de Presidente e Diretor Artístico da prestigiada academia italiana Talent Music Master Courses of Brescia. É Diretor Artístico dos Cursos de Verão e Festival de Música de Talento. É Diretor Artístico e Presidente do Júri do “Concurso Internacional de Piano de Brescia Classica”. Desde o ano académico 2018/2019, Paolo Baglieri é membro docente nos Cursos de Mestrado de Música de Talento de Brescia e dá masterclasses em todo o mundo.
Nascido em Itália e formado no Conservatório Catania, concluiu diplomas na “Codarts – University of Arts” de Roterdão e na Ecole d’Enseignement Superieur de Musique, de Danse et d’Art Dramatique “Schola Cantorum” de Paris. As principais influências no seu desenvolvimento musical foram os estudos com Pavel Gililov, Gabriel Kwok, Benedetto Lupo, Boris Petrushansky, e Sergio Perticaroli.

Manuel Araújo


MANUEL ARAÚJO
Manuel Araújo nasceu em Vila Nova de Gaia, em 1983. Iniciou os seus estudos musicais aos 5 anos de idade, em regime particular, com os professores Norma Graça-Silvestre e Felipe Nabuco Silvestre.
Seguiu os estudos na Holanda, a partir de 2002, sob orientação de Aquiles Delle Vigne, diplomando-se “Cum Laude” na Codarts, Escola Superior das Artes de Roterdão.
Estudou pontualmente ainda com músicos como Mikhail Voskresensky, Angela Hewitt, Jean-Bernard Pommier, Ronald Brautigam, Gabriel Kwok, Helena Sá e Costa, Sequeira Costa, Fausto Di Cesare, Luiz de Moura Castro, Emanuel Krasovsky, Enrico Pace, Gary Hoffman, Wolfgang Holzmair e Choong Mo Kang.
Estreou-se como profissional no ano 2000, após obter por unanimidade o 1°. Prémio Nacional de Jovens Pianistas da Fundação Rotária Portuguesa, dedicado a Helena Sá e Costa e com júri presidido pela mesma.
Obteve o primeiro prémio em diversos concursos em Portugal, França, Holanda, Espanha, Bélgica, Japão e Itália, destacando-se o Premier Prix do 89th Concours International Léopold Bellan de Paris e do 34th Yokohama International Piano Concert, e ainda S. Sebastião (Espanha), Mascia Masin e F. Zadra (Itália), Primavera Pianistica (Bélgica), Codarts Virtuoso Piano Competition (Holanda) e o Prémio Especial Luso-Brasileiro Maria Campina.
Foi também premiado pelo Concurso Internacional de Piano Interfest (Macedónia), no Prémio Jovens Músicos RDP e pela Juventude Musical Portuguesa.
Recebeu prémios especiais do júri no Concurso Internacional Cidade de S. Sebastião (Melhor interpretação de Scriabin) e no Concurso Musical Internacional “Riviera del Conero” (Jovem Talento).
Foi um dos 36 finalistas do Concurso Internacional de Piano da Austrália em Sydney, semifinalista, entre todos os instrumentos, do prestigioso Vriendenkrans Concours da Orquestra Concertgebouw, no Concertgebouw de Amsterdão e um dos 3 finalistas, também entre todos os instrumentos, do Prémio Novos Talentos Ageas/Casa da Música 2017. Foi semifinalista e obteve o Prémio “Melhor Participante Português” no XVII Concurso Internacional de Música “Vianna da Motta”, em 2010.
Atuou em Portugal, Espanha, França, Holanda, Israel, Austrália, Itália, Alemanha, Rússia, Bélgica, Brasil, Austria, Macedónia, Japão e Taiwan.
Destacam-se as suas atuações no Teatro Imperial Hermitage e no Teatro Briantzev em S. Petersburgo, no Stadsschouwburg e Concertgebouw de Amsterdão, no Lucent de Haia, no Teatro de Jerusalem, na Sala Philips do Stadsschouwburg de Eindhoven, no Theater aan het Vrijthof em Maastricht, no Theater De Vest em Alkmaar, nos Schouwburg de Roterdão, Utreque e Leiden, na Accademia Filarmonica Romana, na Yokohama Minato Mirai Hall e no Carrie Chang Fine Arts Center de Taipei.
Atuou ainda na Sala Suggia da Casa da Música, Museu Gulbenkian, no Teatro S. Luiz, no Teatro S. Carlos, no Grande Auditório CCB, Auditório da Fundação Serralves, na Sala Gótica do Hôtel de Ville de Bruxelas, no Teatro Nacional de Bitola, na Wiener Zaal e Solitar do Mozarteum de Salzburgo, na Salla Filarmonica de Trento, no Concertgebouw De Doelen de Roterdão, no Altes Handelsboerse e Mendelssohnhaus de Leipzig, no Palácio de S. Clemente no Rio de Janeiro, no Centro Musical Felicja Blumental de Telavive e no Seymour Centre de Sydney.
Cooperou, entre 2006 e 2009, com o coreógrafo Ton Simons e a companhia Dance Works Rotterdam, nas produções Human Figures e Moving Being, numa parceria que apresentou o primeiro livro do Cravo Bem Temperado de J. S. Bach pelas principais salas de todas as cidades dos Países Baixos.
Dedica-se com regularidade à divulgação do património musical português. Efetuou primeiras audições modernas e estreias mundiais de obras de Frederico de Freitas, J. D. Bomtempo, Nicolau Ribas e António Fragoso. Foi-lhe dedicada a obra “Bamboleio”, de Alexandre Delgado.
Atuou com transmissão em direto para a Euroradio (EBU), Kol Ha Musica IBA (Israel), RTP2 e Antena 2, e para a ABC Classic (Austrália). Tem discos gravados para o selo Codarts, com obras de Prokofiev e Stravinsky, e para a Associação António Fragoso.
Foi convidado a atuar nos Festivais de Sintra, Mafra, Cistermúsica, Quatro Estações de Vidago, Primavera de Viseu, Euro-Mediterraneo (Calabria), Sommerakademie Mozarteum Salzburgo, Openlook S. Petersburgo, Forum Internacional Torrelodones, Cap Ferret, Festa na Baixa CNC e no Rotterdam Operadagen, onde atuou na apresentação da integral das transcrições de ópera de Liszt, interpretando Reminiscences de D. Juan.
Como solista, atuou com a Sinfonia Rotterdam, Orquestra Nacional do Porto, Rotterdam Ensemble, Orquestra Filarmónica da Macedónia, Orquestra Clássica de Espinho, Orquestra do Norte, Orquestra Sinfónica Esproarte, Orquestra Sinfónica do Atlântico e Orquestra Filarmonica di Stato “P. Constantinescu” de Ploiesti (Roménia), entre outras, sob direção de Lior Shambadal, Conrad van Alphen, Marc Tardue, Anton Nanut, Manuel Ivo Cruz, Sergio Alapont, Roberto Beltrán, José Ferreira Lobo, Ahmed El Saedi, Gustavo Delgado, Artur Pinho Maria, Roberto Misto, Gustavo Delgado, Enrique Bátiz e Claudio Cohen.
Foi professor assistente de piano da Escola Superior de Música de Roterdão (Codarts), da Schola Cantorum de Paris e convidado a dar masterclasses e conferências para a Kawai Omotesando de Tokyo, as universidades Chinese Culture, National Chiao Tung e Chung Yuan de Taipei, Forum Musikae Madrid, Conservatório Nacional de Lisboa, Universidade de Coimbra, Esproarte. Foi jurado de importantes concursos como o Taiwan International Piano Ensemble Competition, Fujairah International Piano Competition e StayHome International Piano Competition.
É cofundador, membro da direção e professor da Academia Internacional de Música “Aquiles Delle Vigne”, do Coimbra World Piano Meeting e do Encontro Internacional de Piano de Sardoal.

Luísa Tender


LUÍSA TENDER
Luísa Tender nasceu no Porto, onde estudou piano com Anne-Marie Mennet, Pedro Burmester e Helena Sá e Costa. Entre 1997 e 2000, foi aluna de Vitalij Margulis em Los Angeles; e posteriormente de Irina Zariskaya, no Royal College of Music em Londres, onde obteve o grau de Master of Music. Foi também aluna de Marian Rybicki e recebeu o Diplôme Supérieur d’Exécution em piano na École Normale de Musique de Paris.
O seu primeiro CD (Bach and Forward, edição de autor, Londres 2009) foi Escolha do Mês na revista britânica Classical Music. O seu segundo trabalho discográfico, Página Esquecida, um CD duplo com obras portuguesas para violoncelo e piano com Bruno Borralhinho (Dreyer & Gaido, Berlim, 2009), recebeu também os melhores elogios em publicações da área da Música (Fanfare, Strings Magazine, Das Orchester, entre outras). Gravou a integral das sonatas para piano de J. D. Bomtempo (Naxos/Grand Piano, 2019), um trabalho que teve grande destaque na imprensa internacional especializada (Ritmo, Music Web International, Stretto, Musikalifeiten). A Revista espanhola Ritmo dedicou-lhe um longo artigo de capa intitulado «Tiempo para Bomtempo – Luísa Tender». Luísa publicou ainda, em coautoria com Manuel Pedro Ferreira, um álbum didático multimédia: O pescador de sons (Lisboa, CESEM, 2019). A propósito de um dos seus concertos, o London Independent descreveu-a como «a natural Beethovenian».
Foi durante dois anos letivos, assistente convidada na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto (ESMAE). Atualmente, reside em Lisboa e é Professora Titular de Piano na Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco (ESART). É presidente da assembleia-geral da EPTA-Portugal (European Piano Teachers Association).
Luísa Tender foi, durante os anos da sua formação, bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e do Royal College of Music. É investigadora na área da Educação e Desenvolvimento Humano no CESEM (Universidade NOVA de Lisboa)