Júri

O Júri do 3.º Concurso Internacional de Piano de Viseu é composto por 9 elementos oriundos de 7 países. Este é um painel que reúne enormes talentos e cuja experiência nos assegura que a escolha do vencedor está em boas mãos.
Presidente do Júri

Marian Rybicki (França/Polónia)

Diretor Artístico do Concurso e Presidente do Júri

Jorge Martins (Portugal)

Diretor Artístico do Concurso e do FIMPViseu

José Carlos Sousa (Portugal)

Júri

Aquiles delle Vigne (Argentina)
Ana Cláudia Assis (Brasil)
Ana Cristina Mota Pinto (Portugal)
Giuseppe Andaloro (Itália)
Luís Pipa (Portugal)
Shao Xiao Ling (China/Portugal)

Marian Rybicki

Detalhes sobre os Jurados


MARIAN RYBICKI
Como pianista e como professor, Marian Rybicki junta duas das mais consagradas tradições pianísticas, tendo estudado na Academia Frederic Chopin de Varsóvia (classe de Zbigniew Drzewiecki) e no Conservatório de Paris (classe de Pierre Sancan).
Depois de uma carreira como pianista recheada de êxitos, principalmente na Europa de Leste, mudou-se para Paris onde se dedicou à sua carreira como pedagogo. Desde 1979 que é titular de uma das mais reputadas classes de piano da École Normale de Musique de Paris/Alfred Cortot, e efetua masterclasses através de toda a Europa, Ásia e E.U.A.
Muitos dos seus alunos foram premiados nos mais importantes Concursos Internacionais incluindo Chopin em Varsóvia (1990 e 2005), Santander (Primeiro Prémio 1978), Leeds (Primeiro Prémio 2009), Marguerite Long – Jacques Thibaud (Primeiro Prémio em 2004), Hamamatsu (Primeiro Prémio em 2012), Arthur Rubinstein Tel Aviv (Primeiro Prémio em 2014), Bucharest-George Enesco (2014), Busoni, Porto, Geza Anda, Geneva.
Além disso, M. Rybicki tem integrado júris de muitos Concursos Internacionais – Monte Carlo, Porto, Pequim (1999 e 2014), Moscovo (Chopin-Jovens Pianistas e Scriabin), Xangai, Tóquio (PTNA), Bolzano (Busoni), Kiev (Horowitz), Monte Carlo, Porto, Tbilisi, Jaen, Rio de Janeiro, Macau, Hong Kong, entre outros.
De 1975 a 1995, foi Conselheiro para a Música do Centro Nacional das Obras Universitárias e Escolares de Paris.
Em 1993 fundou e tornou-se Diretor Artístico da Associação Animato. Neste papel, para além da promoção de inesquecíveis temporadas de Concertos, fundou e participou na fundação de vários concursos internacionais, cuja particularidade é o facto de o público participar na atribuição dos prémios, entre eles: Grand Prix Animato” (Paris), Morocco Philharmonic International Piano Competition (Casablanca and Rabat), Prix du Piano Interlaken Classics (Berna), Nuits Européennes du Piano (Luxemburgo).
Pelo conjunto das suas atividades, Marian Rybicki foi condecorado com a Cruz de Ouro da Ordem de Mérito.

Paula Sobral


JORGE MARTINS
Nasceu no Porto, em 1954, cidade onde efetuou os seus estudos, tendo concluído os Cursos Superiores de Piano e de Canto do Conservatório de Música do Porto, nas classes de Hélia Soveral e Fernanda Correia, respectivamente. Simultaneamente concluiu a Licenciatura em Economia na FEP.
Completou a sua formação pianística frequentando inúmeros seminários, estágios e cursos orientados por M. Rybicki, J. Fassina, C. Helffer, M.F. Bucquet, V. Perlemüter, S. Costa, Constantin Illiescu, entre outros.
Tendo-se dedicado em exclusivo à Música, integrou o Grupo de Música Vocal Contemporânea do Porto, participando na gravação de vários discos, programas de rádio e de televisão e em inúmeros concertos e festivais em Portugal, Espanha e Alemanha (Berlim). Integrando o Grupo Instrumental da Oficina Musical do Porto, teve participações a solo, como acompanhador ou integrado em diferentes formações instrumentais em todos os festivais realizados em Portugal e Espanha, e ainda na Alemanha e na Colombia. Realizou Concertos e Recitais, não só a solo mas também com nomes como Oliveira Lopes e Palmira Troufa, entre outros, por todo o país e em Espanha e França.
Desenvolveu uma intensa atividade docente, na Escola de Música do Porto, na Escola Profissional de Música do Porto e no Conservatório Regional de Viseu onde continua a ser professor, sendo Coordenador do Grupo Disciplinar de Piano e integrando o Conselho Pedagógico. Completou a Profissionalização em Exercício, com elevada classificação profissional, na Universidade de Aveiro. Tem visto alunos por si preparados serem premiados em Concursos Nacionais e, inclusivé, obterem Diplomas Superiores na École Normale de Musique de Paris.
Nos últimos anos tem integrado regularmente júris de Concursos Internacionais (Concurso Internacional Cidade do Porto, Grand Prix Animato em Paris, Piano Campus em Pontoise, Concurso Internacional de Música de Marrocos, Premio Giuliano Peccar em Gorizia-Itália, Concurso de Rhodes na Grécia, Concurso Ásia-Pacífico em Macau, Hong Kong-Ásia Open Piano Competition, Figueira da Foz International Prize, entre outros). Integra o júri do Concurso Nacional de Música de Marrocos (Piano), sendo presidente do Júri delegado, juntamente com Abdel Rhaman El Bacha. Fundou os Encontros Internacionais de Jovens Pianistas em Viseu e realizou, com Marian Rybicki, Academias de Verão no Conservatório Regional de Viseu.
É DireTor Artístico e Presidente do Júri do Concurso Internacional de Piano de Viseu.

José Carlos Sousa


JOSÉ CARLOS SOUSA
José Carlos Almeida de Sousa nasceu em Viseu – Portugal, em 1972. Iniciou os seus estudos musicais no Conservatório Regional de Música Dr. Azeredo Perdigão, na sua cidade natal onde concluiu o curso geral de composição em 1995.
Em 1996 prossegue os seus estudos na Universidade de Aveiro, onde concluiu a sua Licenciatura em Composição, no ano de 2000.
Estudou composição e música eletrónica com Evgueni Zoudilkin, João Pedro Oliveira e Isabel Soveral. Frequentou ainda vários seminários de composição e música eletrónica orientados pelos compositores; Jorge Antunes, Alain Sève, Tomás Henriques, Flo Menezes, François Bayle e Emmanuel Nunes.
Em Junho de 2005 concluiu, na Universidade de Aveiro, um mestrado em música com especialização em composição, subordinado ao tema “O Timbre e suas Metamorfoses no Processo Composicional da Música Electroacústica”.
Já lecionou na Universidade de Aveiro e no Instituto Piaget em Viseu.
Foi, conjuntamente com Paula Sobral, organizador e diretor artístico do Concurso e Festival Internacional de Guitarra Clássica de Sernancelhe, até a sua 15.ª edição.
Desde 2008 que organiza e é o Diretor Artístico do Festival Internacional de Música da Primavera de Viseu.
Em 1995 ganhou o primeiro prémio do 1.º concurso de composição do conservatório onde estudou, com a obra infantil para piano, “Almofada”.
No Concurso de Composição Eletroacústica “Música Viva 2000”, foi agraciado com uma Menção Honrosa. Em Abril de 2001 foi premiado com a sua obra “Viagem” no referido concurso, integrado na Porto 2001 Capital Europeia da Cultura.
As suas últimas obras, resultam da encomenda de várias instituições nacionais e internacionais e a sua música tem sido tocada em várias cidades portuguesas e em vários festivais de música: Festival Música Viva (Portugal), Primavera en La Habana (Cuba), Aveiro Síntese (Portugal), “33e Festival International des Musiques et Créations Electroniques” (Bourges – França), Concurso e Festival Internacional de Guitarra (Sernancelhe – Portugal), 14th World Saxophone Congress (Eslovénia), “Guitarmania” – Festival Internacional de Guitarra Clássica (Almada – Portugal), Festival de Guitarra de Palência (Espanha), Festival Dias de Música Eletroacústica (Seia – Portugal), “Síntese” – Ciclo de Música Contemporânea da Guarda (Portugal), Festival Internacional de Guitarra de Santo Tirso (Portugal), Festival Internacional de Música da Primavera de Viseu (Portugal), 8e Festival International Guitar´Essonne – (Paris – França), Dias de Música Eletroacústica no Santa Cruz Air Race (Portugal), VIII Festival de la Guitarra de Sevilla (Espanha), Tempo Reale Festival 2018 Florença (Itália).
Atualmente é professor de composição no Conservatório de Música de Viseu, exercendo também o cargo de Diretor Pedagógico do Conservatório desde 2004.

Aquiles Delle Vigne


AQUILES DELLE VIGNE
«Poucos pianistas podem ir de um brilhante Mendelssohn até um retumbante Liszt passando por um aristocrático, sofisticado e encantador Ravel…» diz Harold Schoenberg do New York Times. O jornal italiano La Repubblica chama-lhe «um príncipe do piano…» e o PRS Rheinische Post «um grande senhor entre os pianistas…». O SVZ Salzburger Volkszeitung intitula a sua crítica «Do silêncio à força do aço».
Nascido na Argentina, Aquiles Delle Vigne deu o seu primeiro recital aos 8 anos. Aos 17 já era discípulo de Claudio Arrau e ganhou o restigiado Grande Prémio «Albert Williams». Este prémio abriu-lhe as portas das mais inportantes salas de concerto do continente. Depois completou a sua formação na Europa com o Prof. Eduardo Del Pueyo e com Georges Cziffra.
Realizou mais de 25 tournées no Japão, 10 na Austrália, bem como nos Estados Unidos da América, no México, em Hong-Kong, na Coreia e em toda a América do Sul. Temsido convidado pelos mais importantes festivais e apreseta-se nas mais importantes salas de concerto do mundo, Gstaad, Paris, Salzburgo, Madrid, Euro Festival em Seoul, Beethoven Festival, e foi dirigido por Lord Yehudi Menuhin, Leopold Hager, Georges Octors, Alberto Lysy, Lee Dong-ho, Bogo Leskowitch, Vladimir Kim, Emiel Simon, Edvard R. Tchivtzel, André Vandernoot, Edgard Donneux, Kamen Goleminov, Juan Carlos Zorzi, Jesus Medina, Claudio Santoro, Henrique Morelenbaum, D. Marinescou, Laurent Petit-Girard, com as mais importantes orquestras do mundo.
Também considerado um professor de topo no mundo, Aquiles Delle Vigne dá Masterclasses na International Sommerakademie Universität Mozarteum Salzburg, foi Visiting Professor no Royal Northern College of Music em Manchester e Professor Extraordinaire da National University em Taipei. Também é regularmente convidado pela Juilliard School, Manhattan e Mannes Schools de Nova York, pelo Conservatório Tchaikovsky de Moscovo e pelo Conservatório Korsakov de São Petersburgo, pelos Conservatórios Central e China de Pequim, pela Universidade Toho de Tóquio, pelas Hochschules de Munique, Weimar e Hamburgo, pelas Universidades de Viena, Seoul, Sydney, Melbourne, Pretória, Baltimore, Texas, Indiana, Osaka, Kyoto, Bangkok, Tel Aviv, Oslo, Lucca, Bergen…
Tem sido membro ou Presidente do Júri dos mais importantes Concursos Internacionais nos cinco continentes: Sydney, Pretória, Cincinatti, Xiamen, Georgia, Turin, Paris, Texas, Casagrande, Masters de Monte-Carlo, Roma e Varsóvia.
A sua vasta discografia (EMI His Master’s Voice, BASF Harmonia Mundi, BMG-RCA Victor, Naxos, Pavane e EMSsem) recebeu notáveis louvores e distinções. A sua interpretação dos Préludes de Olivier Messiaen perante o Papa João Paulo II, no Vaticano, mereceu os mais rasgados elogios do compositor.
Aquiles Delle Vigne acabou recentemente de gravar a integral das 32 Sonatas para Piano de Beethoven, que se vem juntar a outras integrais como a dos Estudos de Liszt, a da Música de Camera de Ravel (com Alberto Lysy) e a dos Concertos para Piano e Orquestra de Beethoven.

Ana Cláudia Assis


ANA CLÁUDIA ASSIS
Ana Cláudia de Assis é pianista e Professora Associada da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) onde desenvolve projectos de pesquisa e artísticos sobre a música contemporânea. Doutora em História pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG (em parceria com o IPEAT/Université de Toulouse) e mestre em Práticas Interpretativas da Música Brasileira pela UNI-RIO, é autora do livro Os Doze Sons e a Cor Nacional: conciliações estéticas e culturais na produção musical de César Guerra-Peixe (1944-1954). Em 2010, realizou junto ao CESEM- Universidade Nova de Lisboa, pós-doutoramento sobre a relação entre o compositor Fernando Lopes-Graça e a música brasileira. Como intérprete tem realizado concertos no Brasil e no exterior a convite de importantes festivais, dentre os quais: Bienal da Música Brasileira e Festival Internacional de Musica da UFG (Brasil), Monaco Electroacoustique (Mônaco), Visiones Sonoras e Festival Internacional de Música de Morelia (Mexico), Ai-Maako Festival (Chile), Festival de Outono e Dias de Música Eletroacústica (Portugal), Skammdegi AIR Award (Islândia). Participou como intérprete em diversos CDs e gravou três CDs solos: Música Dodecafônica de César Guerra-Peixe para piano (2015); Sonoridades: peças contemporâneas para piano (2016); Vertentes: música brasileira para piano (2017). Actualmente desenvolve investigação de pós-doutoramento sobre a obra para piano de Jorge Peixinho, junto ao CESEM-UNL, com apoio da Fundação Calouste Gulbenkian.

Ana Cristina Mota Pinto


ANA CRISTINA MOTA PINTO
Ana Mota Pinto, natural do Porto, iniciou os seus estudos musicais com a professora Licínia Horta em Viseu, prosseguindo-os na Escola de Música do Porto com a professora Hélia Soveral e concluindo o Curso Superior de Piano no Conservatório de Música do Porto.
Em 2008, na Universidade Católica Portuguesa – Centro Regional das Beiras, pólo de Viseu, concluiu o Mestrado em Administração e Organização Escolar. Em 2015, no Instituto Piaget de Viseu, concluiu o Mestrado em Ensino de Música – Ramo: Piano. Exerce funções docentes no Conservatório Regional de Música de Viseu “Dr. José de Azeredo Perdigão” desde a sua abertura, lecionando a disciplina de Piano. Neste mesmo estabelecimento de ensino, desempenhou funções de Direção Pedagógica (de 1996/97 a 2004/05).
É professora do quadro do Agrupamento de Escolas Grão-Vasco, Viseu (grupo disciplinar 250 – Educação Musical).
Foi membro de júri e diretora executiva e tesoureira dos “Encontros Internacionais de Jovens Pianistas em Viseu” em 2000, 2001 e 2002. Frequentou masterclasses orientadas por Anne Queffélec, Marian Rybicki, Claude Helffer. Tem realizado concertos/recitais de piano como acompanhadora ao piano.

Giuseppe Andaloro


GIUSEPPE ANDALORO
Giuseppe Andaloro é considerado um dos artistas mais apreciados da sua geração.
Nascido em Palermo em 1982, iniciou uma apaixonada e intensa atividade de concertos muito novo, realizando um amplo repertório que vai do Renascimento à música moderna e contemporânea. O seu arranjo para dois pianos e dois violoncelos de “Rite of Spring”, de Stravinsky, foi aclamado pela crítica e esgotado na noite da estreia.
Foi convidado de festivais de renome (Salzburger Festspiele, Ruhr Klavier, Spoleto Due Mondi, Bucareste Enescu, Ravello, Chopin Duszniki-Zdròj, AB Michelangeli de Brescia e Bergamo, Al Bustan Beirute, Mehli-Mehta Mumbai) e em alguns dos mais importantes locais de concertos do mundo, incluindo La Scala em Milão, Salle Gaveau em Paris, Konzerthaus em Berlim, Gasteig em Munique, Royal Festival Hall e Queen Elizabeth Hall em Londres, Santa Cecilia no “Parco della Musica” em Roma, Rudolfinum Dvořák Hall em Praga, Anfiteatro Simón Bolívar na Cidade do México, Teatro Oriente em Santiago do Chile, Sumida Triphony Hall em Tóquio, Esplanade Auditorium em Singapura, City Hall Concert Hall em Hong Kong, etc.
Toca regularmente com grandes orquestras (London Philharmonic, NHK Symphony, Singapore Symphony, Hong Kong Philharmonic, Philharmonische Camerata Berlin, London Mozart Players, Czech Philharmonic Orchestra) e grandes maestros como Vladimir Ashkenazy, Jean-Jacques Kantorow, Gianandrea Noseda, Andrew Parrott, Giuseppe Lanzetta e artistas internacionalmente aclamados, incluindo Sarah Chang, Giovanni Sollima, Sergej Krylov, Anna Tifu, Svetlin Roussev e John Malkovich.
Vencedor do primeiro prémio em alguns dos mais prestigiados concursos internacionais de piano – como “Ferruccio Busoni” em Bolzano, Concurso de Piano de Londres, Porto, Sendai, Hong Kong – em 2005 foi elogiado pelo mérito artístico do Ministério de Património e Atividades Culturais da Itália.
É creditado em variadíssimos discos (Sony, Warner, Naxos, Fontec Labels) e tem sido convidado em várias transmissões de rádio, como NHK-BS2 Tokyo, BBC Londres, Radio France Musique, Amadeus 103,7 Buenos Aires, Classic FM Radio Allegro Joanesburgo, RTSI Lugano, RDP Radiodifusão Portuguesa, Rai Radio3 Italia, Rádio Alemã SWR2, Rádio Vaticano, Rádio Clássica WRR Dallas, Rádio Hong Kong 4, Sinfonia Singapura 92.4FM, Rádio Pública Fresno Valley, etc.
Andaloro dá masterclasses em Itália e no exterior (Universidade de Tóquio Showa, Fresno California State University, Academia Internacional de Teclado da Tailândia, Sociedade Chopin de Kuala Lumpur, Hong Kong Chopin Society) e foi também júri em competições internacionais de piano.

Luís Pipa


LUÍS PIPA
Luís Pipa é hoje um dos pianistas portugueses mais completos da sua geração. À originalidade das suas interpretações associa-se uma grande solidez conceptual, fruto de uma sólida formação académica.
Nascido na Figueira da Foz, iniciou os estudos de piano no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga com Natércia Gonçalves, prosseguindo mais tarde os estudos com Maria Teresa Xavier no mesmo Conservatório e no Conservatório de Música do Porto, onde se diplomou com distinção. Entre 1983 e 1986 aperfeiçoou-se na classe de concerto de Noel Flores na Hochscule Für Musik und Darstellende Kunst de Viena, tendo posteriormente obtido o grau de Master of Music in Performance Studies na Universidade de Reading, Inglaterra e o grau de Doutor (PhD) em Performance na prestigiada Universidade de Leeds, na sequência de uma investigação sobre o grande discípulo de Liszt José Vianna da Motta.
Estudou ainda com as pianistas Helena Sá e Costa e Laura O’Gorman, mas também contactou com figuras como Sequeira Costa, Jörg Demus, Marian Ribicky e Graham Barber.
Desde muito cedo a sua vocação para o ensino levou-o a exercer funções docentes no Conservatório de Música de Braga, na Academia de Música de Viana do Castelo e na Universidade do Minho. Integrou por diversas vezes júris de concursos pianísticos, sendo frequentemente convidado a orientar masterclasses em Portugal e no estrangeiro.
Luís Pipa apresenta-se regularmente em recitais a solo, integrando grupos de câmara, ou como solista de diferentes Orquestras. Da sua colaboração com outros músicos destacam-se os nomes dos violinistas Gerardo Ribeiro, Sergey Arutyunian Eliot Lawson e Gustavo Delgado, os violoncelistas Paulo Gaio Lima, Jaroslav Mikus, Alexander Znachonak e Pavel Gomziakov, o flautista Olavo Tengner Barros, os clarinetistas Allessandro Carbonare e Vítor Matos, os cantores Elisabete Matos, Rui Taveira, Sara Braga Simões e Oliveira Lopes, e os maestros Gunther Arglebe, Christopher Bochmann, Miguel Graça-Moura, António Soares, António Baptista, Miguel Clavel, Vasco Faria, Vitor Matos, Alberto Roque, Francesco Belli, Ernst Schelle, Hans Casteleyn, Paulo Areias e José Alberto Pina. A ele se devem primeiras audições absolutas de algumas obras, nomeadamente dos compositores Luiz Costa, João Heitor Rigaud e Christopher Bochmann, sendo também autor de peças para piano, música de câmara e canções, bem como de publicações de carácter pedagógico e científico. Das suas mais recentes aparições, destacam-se para além de masterclasses em Portugal, Espanha e Itália, apresentações na “Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura”, Festival Internacional de Música de Aveiro, Casa da Música (Porto), e em cidades como Viena, Oslo, Amesterdão, Helsínquia e La Valetta, para além da execução integral das sonatas para piano de Mozart, numa série de nove concertos em nove Igrejas Históricas da cidade de Viana do Castelo.
Tem-se interessado por outras formas de expressão artística, participando em projetos com os pintores Álvaro Rocha e De Miranda e os atores/encenadores António Durães e António Fonseca.
Luís Pipa possui uma vasta produção discográfica, que contempla repertório desde o barroco ao século XX incluindo, entre outras, obras de compositores como Bach, Scartatti, Mozart, Beethoven, Schubert, Schumann, Mendelssohn, Debussy, Khachaturian, assim como numerosas obras de compositores portugueses e algumas das suas próprias composições, como é o caso do seu CD ‘Portugal’, de 2009. Faixas deste CD figuraram na seleção oficial da companhia aérea portuguesa TAP, incluindo sonatas de Carlos Seixas e ‘My Beautiful Blue Country’, a sua aclamada versão introspetiva para piano solo do Hino Nacional de Portugal. Uma crítica publicada em dezembro de 2014 no Piano Journal considera este CD “notável e original” prevendo que a obra Suite Portugal deixará a sua marca em futuras antologias de música portuguesa, descrevendo ainda Luís Pipa como um pianista de grande “profundidade, poder e nobreza”, e a sua interpretação de obras de Vianna da Motta (CD, Toccata Classics, 2018) é descrita, na edição mais recente da mesma publicação, com palavras como “sedutora”, “profunda e comovente”, possuindo “magnitude e delicadeza de expressão”. Ainda em 2018 editou um duplo CD com obras de W. A. Mozart (Tradisom) tendo projetadas para 2019 novas edições em CD.
É professor de piano e música de câmara na Universidade do Minho, ocupando atualmente os lugares de Presidente da European Piano Teachers Association (EPTA) – Portugal e Vice-Presidente da EPTA internacional. Vem citado no Marquis Who is Who in the World, tendo sido considerado um dos ‘Top 100 Educators 2012’ pelo International Biographical Centre.

Shao Xiao Ling


SHAO XIAO LING
Shao Xiao Ling é professora auxiliar no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro e a sua principal área de ensino centra-se em piano performance e música de câmara. É doutorada em Música pela Universidade de Aveiro (2011), Mestre em Piano Performance pelo Rotterdams Conservatorium (2001) e Licenciada em Ensino da Música pela Universidade de Aveiro (1998). Como concertista, tem apresentado recitais tanto solo como música de câmara e concertos com orquestras nos grandes auditórios e festivais portugueses e, também, em França, Itália e China. É detentora dos prémios nos Concursos de “Cidade de Covilhã”, “Solistas da Juventude Musical Portuguesa”, “Prémios Jovens Músicas da RDP” e “Juventude Musical Portuguesa”. Foi bolseira da Fundação Oriente com a qual continua a manter uma ligação próxima na promoção da cultura musical chinesa, em Portugal, e vice-versa. A partir da sua tese de doutoramento, que sequenciou investigação em estudos culturais da música erudita, interessou-se, especialmente, na interação entre a música ocidental e a música chinesa do Século XX e XXI, tendo publicado vários artigos em ata de conferência e em revista, tanto em Portugal como no Brasil. É frequentemente convidada para realizar concertos/palestras das músicas da China e de Portugal.