1º Parte: Quitó Antunes & Christian Roca • 2ª Parte: Carles Pons & Darío Polonara

17 Abril, 2020 pelas 21h00 (sexta)
no Museu Nacional Grão Vasco


Entrada: 5€ ou 2.5€ para público afeto ao Conservatório

1.ª Parte

Quitó Antunes & Christian Roca

Programa

ISAAC ALBÉNIZ(1860-1909) / arr. Quitó De Sousa
España op.165 (Tango – Capricho catalán – Malagueña)

ENRIQUE GRANADOS (1867-1916) / arr. Quitó De Sousa
Intermezzo de Goyescas et Dance Andalouse n°5

ALEXANDER GLASUNOV (1865-1936) / arr. Quitó De Sousa
Sérenade espagnole op.20 n°2

JORGE CARDOSO (n .1949)
Ajeu et Gualambao

ERIK MARCHELIE (n. 1957)
Trois images nocturnes (Nuit d’été, Crépuscule, Pleine lune)

LAURENT BOUTROS (n. 1964)
Amasia

ASTOR PIAZZOLLA (1921-1992)
Café 1930 et Nightclub 1960

Ficha Artística

Christian Roca – Clarinete
Quitó de Sousa Antunes – Guitarra

Mecenas: Museu Nacional Grão Vasco


Fundado em 2014 por Christian Rocano clarinete e Quitó de Sousa Antunes na guitarra clássica, este duo cujas sonoridades se misturam e se servem de maneira ideal, apresenta um repertório de obras originais e de transcrições numa arte comedida e cambiante num equilíbrio delicado.
Das obras de Enrique Granados e Isaac Albéniz que evocam cenas coloridas da Espanha popular, às páginas musicais de inspiração luminosa e sempre sensível de Grabiel Fauré, passando pelas peças dum universo sonoro elegante e refinado de Erik Marchelie, Laurent Boutros ou Astor Piazzolla, o Duo Sonata sabe transmitir a sua paixão aos mais diversos públicos.
Através dos múltiplos repertórios que ele explora, este fascinante conjunto onde os dois instrumentos são sabiamente combinados com grande sensibilidade, foi convidado em inúmeros concertos e festivais na França, Itália, Espanha e Portugal.

Biografias

CHRISTIAN ROCA
Depois dos estudos musicais nos conservatórios nacionais de Versalhes e Creteil, foi finalista nos concursos internacionais de Toulon (França) e de Roma (Itália) sendo em seguida laureado do Concurso Internacional Acanthes em Paris.
Tem seguido uma carreira muito variada como músico de orquestra com a Orquestra Sinfónica e Lírica de Tours, a Orquestra da Guarda Republicana, a Ópera Nomade e também como músico de câmara participando em vários grupos tais como, Musique Oblique, Pupitre 14, Atelier Musical de Touraine, Ensemble Acor e Ensemble de Clarinetes de Paris.
Como solista deu numerosos concertos em França, Alemanha, Itália, Bélgica, Inglaterra, Japão, China, Coreia, Canadá, Rússia, etc.
Com a pianista Laurence Pellet gravou um CD com música francesa para clarinete e piano e foi convidado em diversos festivais como Saintes, Alicante, Marrakech, Trento, Kazan, Toulon, Villa Médicis em Roma, Casa Velázquez em Madrid, etc.
Dirigiu o espetáculo sobre a ópera Carmen e A Nova Babilónia de Chostakovitch. A produção de Concertos-Leitura durante 17 anos vem completar o seu ecletismo artístico.
Atualmente é diretor do conservatório de Viry-Châtillon na região de Paris.

QUITÓ DE SOUSA ANTUNES
Natural de Alter do Chão (Alto Alentejo) começou os seus estudos musicais (guitarra clássica, flauta transversal e violeta), no Conservatório Regional de Tomar como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian.
Após vários anos na classe do prof. Arlindo Marques, continuou os estudos superiores de história da música, técnicas de análise e composição e guitarra clássica em Paris, sob a orientação do professor Betho Davezac, tendo obtido o 1° Prémio Cidade de Paris, bem como a Medalha de Ouro no Conservatório Nacional de Meudon.
Posteriormente frequentou vários cursos de aperfeiçoamento com Alberto Ponce (guitarra), Manuel Morais (música antiga), Nuno Torka-Miranda (tablaturas), Arlette Biget et Claude-Henri Joubert (pedagogia musical), Nicolas Brochot e Jean-Jacques Werner (direção de orquestra).
Muito interessado pela música contemporânea, foi membro fundador do grupo “Harmonique 12”, através do qual apresentou em estreia mundial várias obras para octeto de guitarras dos compositores D. Visser, P. Challulau, E. Rolin, C. Zulian, P. Demier, L. Bicalho, F. Vercken, G. Gioanola, J.L. Petit, A. Brochot, etc. “Harmonique 12” apresentou-se nos mais prestigiosos palcos em França, Alemanha e Portugal.
Com a violoncelista Sylvie Duvivier, constituiu o “Duo Horizons” considerado como uma das melhores formações deste género em França. Durante 20 anos, este duo divulgou um reportório original e de grande qualidade tendo sido convidado inúmeras vezes a participar em concertos e festivais tanto em França como no estrangeiro. Recolheu os melhores elogios tanto dos críticos como do público e realizou 3 CD’s.
É diretor de uma coleção de obras para orquestra de guitarras, nas Editions Soldano-Paris. As suas transcrições de Fauré, Debussy e Ravel para violoncelo e guitarra estão editadas pelas edições Alphonse Leduc-Paris.
Em 2002 fundou a Orquestra Guitar’Essonne da qual é diretor e desenvolveu vários projetos de intercâmbio cultural com outros ensembles de Madrid, Cambridge, Oslo, Praga, Waregem e Seixeles.
Paralelamente apresentou-se como solista ou em música de câmara em diversos concertos e festivais internacionais de renome em França, Quebeque, Alemanha, Inglaterra, República Chéqua, Roménia, Hungria, Itália, Espanha, Portugal e Marrocos.
Atualmente, Quitó De Sousa Antunes é professor titular nos conservatórios da região de Paris, diretor artístico do Festival Internacional Guitar’Essonne e membro fundador do Paris Guitar Quartet.

2.ª Parte

Carles Pons & Darío Polonara

Programa

ASTOR PIAZZOLLA (1921-1992)
Balada para un Loco

FlORINDO SASSONE (1912-1982)/JULIO BOCAZZI (n.d.)
Baldosa Floja

ANÍBAL TROILO (1914-1975)
Che Bandoneon

CARLOS GARDEL (1890-1935)
Por una Cabeza´

ÁNGEL VILLOLDO (1861-1919)
El Choclo

ATAHUALPA YUPANQUI (1908-1992)
Los Ejes de mi Carreta

JUAN CARLOS COBIÁN (1888-1942)
El Motivo

REMO PIGNONI (1915-1988)
Por el Sur

ASTOR PIAZZOLLA (1921-1992)
Libertango

CARLOS GARDEL (1890-1935)
Volver

GERARDO MATOS RODRÍGUEZ (1897-1948)
La Cumparsita

Ficha Artística

Darío Polonara – Bandoneon
Carles Pons – Guitarra

Esta formação incomum que junta um bandoneón e uma guitarra, rapidamente alcançou sucesso público e crítico. Depois de atuar em diversos festivais de música em toda a Europa: London Guitar Festival; Sábio Gates-Head em Newcastle; Val d’Ossola; Roma; Sardenha Mottola (Itália) entre muitos outros, chegam agora a Viseu.
O repertório é inteiramente dedicado à música argentina, atravessando diversos sabores do tango.
Em 2018, este duo gravou o DVD “Tango”, ao vivo no Valencia Guitar Days e em 2019 eles fizeram uma digressão pelo Japão.

Biografias

DARÍO POLONARA
Em 1999, ingressou no trio do maestro Omar Valente, com quem atua como um grupo estável no Café Tortoni. Com o trio de Omar Valente, participou no espetáculo “Cem Anos Não É Nada”, do cantor Jorge Sobral, no Teatro San Martin, em Buenos Aires. Posteriormente, junta-se à orquestra típica de Omar Valente, como o primeiro bandoneonista e codiretor, realizando mais de 27 na sua na sua turné no Japão em 2000.
Em 2002, estabeleceu-se em Espanha e depois na Holanda, onde formou o quarteto Los Taitas, o trio Hernán Ruíz Trío e o quinteto Bandola Zurdo. Na Europa, aventura-se em vários géneros como músico de sessão, viajando pela Escócia, Suíça, Alemanha, Bélgica, Holanda e Espanha.

CARLES PONS
Já realizou concertos, entre outros lugares, em Espanha, Bahrain, Turquia, Bulgária, Brasil, Peru, México, Alemanha, França, Suíça, Áustria, Eslováquia, Sérvia, Hungria, Mónaco, Grã-Bretanha, Itália, EUA, Japão, etc.
Em 2019, viajou pelos EUA (Nova York, Portland e Oregon) patrocinado pela Embaixada de Espanha.
Em 2008 gravou o CD “Bolero por um anjo” com a editora italiana Sheva.
Toca com cordas Savarez.