Orquestra Filarmónica Portuguesa com Pavel Milyukov

14 Abril, 2018 pelas 21h00 (sábado)
no Pavilhão Multiusos


Entrada: 5€ ou 2.5€ para público afeto ao Conservatório

Programa

PYOTR ILYICH TCHAIKOVSKY (1840-1893)
Concerto para violino

IGOR STRAVINSKY (1882-1971)
A Sagração da Primavera

Ficha Artística

Solista – Pavel Milyukov
Maestro – Osvaldo Ferreira

Fundada em Maio de 2016 por Osvaldo Ferreira e Augusto Trindade, a Orquestra Filarmónica Portuguesa integra um conjunto de músicos de elevado padrão artístico. Os músicos são artistas premiados em concursos nacionais e internacionais, ex-integrantes da Orquestra Jovem da União Europeia e ainda músicos estrangeiros residentes em Portugal que se juntaram neste projeto para criar uma orquestra que fosse uma referência e símbolo de qualidade, atuando em todo o território nacional.
A orquestra produz concertos sinfónicos, ópera e irá criar conexões com outros géneros artísticos numa procura de desenvolvimento de eventos e espetáculos criativos.
A Orquestra Filarmónica Portuguesa apresentou o seu concerto inaugural no dia 7 de Maio no Europarque, tendo ainda atuado no Centro Cultural do Arade, no Algarve e no Festival Cistermúsica de Alcobaça (ainda com a designação de Orquestra Euro-Atlântica). A reação do público, críticos especializados e músicos de todo o país, foi unânime e elegeu este projeto como um dos mais importantes dos últimos anos no nosso país, pela sua qualidade e originalidade.
A Orquestra Filarmónica Portuguesa é um projeto de dimensão nacional sob a Direção Artística do Maestro Osvaldo Ferreira, atualmente um dos mais representativos maestros nacionais.
Desde a fundação a Orquestra Filarmónica Portuguesa assentou a sua atividade em valores sólidos e princípios humanos que se refletiram na criação de uma marca que pretende valorizar o elemento humano, baseada na autenticidade das relações artísticas com todas as partes interessadas.
Pertencer à família da Orquestra Filarmónica Portuguesa significa partilhar valores, promover a troca de ideias e constituir-se como um espaço de fomento à criatividade. Apostamos no espírito de equipa, no pensamento crítico, na inteligência coletiva, no respeito pela diversidade e ainda pela ousadia e auto-superação.
Acreditamos que a orquestra é um veículo de aprendizagem que provoca impacto em todos os setores sociais e culturais da sociedade e que aproxima diferentes grupos etários, desenvolve e provoca os talentos, e cria relações duradouras.

Biografias

OSVALDO FERREIRA
Osvaldo Ferreira, na qualidade de diretor convidado, em 2017/2018 irá apresentar-se com a Orquestra Filarmonica de S. Petersburgo, Orquestra Filarmonica Portuguesa, Orquestra Gulbenkian em Lisboa, Orquestra Filarmonica de Qingdao na China, Orquestra Sinfonica de Nuremberg, Orquestra Sinfonica da Venezuela (onde gravará novo CD) e com a Orquestra do Estado Russo em Moscovo, entre outras. Irá ainda ministrar masterclass de direção de orquestra no Conservatório de S. Petersburgo, no Conservatório do Luxemburgo e no Conservatório de Música de Castelo Branco.
Osvaldo Ferreira, é atualmente o Diretor Artístico da Orquestra Filarmónica Portuguesa e da Sociedade de Concertos de Brasília. Foi o diretor musical e regente titular da Orquestra Sinfônica do Paraná de 2011 a 2014 e diretor da Oficina de Música de Curitiba.
Em Portugal, foi diretor artístico da Orquestra do Algarve, diretor artístico do Festival Internacional de Música do Algarve, diretor e administrador do Teatro Municipal do Faro. Gravou vários CDs com obras de autores portugueses para a Editora Numérica e um CD duplo com Sinfonias de Mozart. Com a Orquestra do Algarve, apresentou-se em Viena, Bruxelas, Lisboa, Sevilha, Porto, Curitiba e Londres.
Da sua vasta carreira destaca-se o trabalho á frente de importantes orquestras, tais como, Orquestra Filarmonica de S. Petersburgo, Orquestra Sinfonica de Roma, Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfonica Brasileira, Orquestra de Praga, Orquestra Filarmonica de Lodz, Orquestra Filarmonica da Silesia, Orquestra Sinfonic de Nuremberga, Orquestra Filarmonica da Radio Renana, Orquestra Nacional do Porto, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Mozarteum de S. Petersburgo, Orquestra do Teatro Nacional S. Carlos em Lisboa, Orquestra do Teatro Olimpico de Vicenza, Orquestra da Extremadura de Espanha, Orquestra da Catalunha, North Shore Orchestra em Chicago, Orquestra do Festival de Aspen nos Estados Unidos e ainda a Orquestra Nacional da Venezuela.
Realizou Mestrado em direção de orquestra em Chicago e pós-graduação no Conservatório de São Petersburgo, na classe de Ilya Mussin. Laureado em 1999 no Concurso Sergei Prokofiev, na Rússia. Recebeu o “Fellowship” do Aspen Music Festival nos EUA, onde freqüentou a American Conductors Academy. Foi assistente de Claudio Abbado em Salzburgo e Berlin. Estudou ainda com Jorma Panula e David Zinman, foi bolsista do Ministério da Cultura de Portugal e da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa.

PAVEL MILYUKOV
Nasceu em Perm, na Rússia em 1984. Com quatro anos começou a ter aulas de música com Tatyana Shevtsova e aos sete anos realizou o seu primeiro concerto com uma orquestra. Estou no Moscow State Tchaikovsky Conservatory na classe de Vladimir Ivanov. Em 2012, conclui a pós-graduação com distinção no mesmo Conservatório e em 2013 termina outro na Universität für Musik und Darstellende Kunst in Graz (classe de Boris Kuschnir). Atualmente está a estudar no Vienna Konservatorium. Por duas ocasiões recebeu bolsas da St. Petersburg House of Music e Bank Rossiya. Em 2008, integrou um grupo de músicos jovens com o presidente Vladimir Putin.
Vencedor de várias competições internacionais, nomeadamente em Kloster Schöntal (2.º prémio, 2003), Astana (Grand Prix, 2008), Seoul (2.º prémio, 2012), International Robert Canetti Competition (1.º prémio, 2005), Vibrarte international competition em Paris (1.º prémio, 2008), David Oistrakh Competition em Moscovo (2.º prémio, 2008) e o Aram Khachaturian Competition em Yerevan (1.º prémio, 2012). Em junho de 2015, Milyukov venceu o 3.º prémio na XV International Tchaikovsky Competition. Dá masterclasses na Rússia e Brasil e já fez digressões pela Áustria, Bélgica, Brasil, China, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Itália, Portugal, Coreia do Sul e do Norte, Espanha, Suécia e Suíça.
Já trabalhou com vários maestros, nomeadamente Valery Gergiev, Vladimir Spivakov, Mikhail Pletnev, Vladimir Fedoseyev, James Conlon, Vasily Petrenko, Yuri Simonov, Pavel Kogan, Alexander Sladkovsky, Robert Canetti, Maria Eklund, e Kristjan Järvi, entre outro. Desde 2008 que tem vindo a tocar como solista na St. Petersburg House of Music e desde 2012 na Moscow Philharmonic. Em 2016 é-lhe atribuída a “Order of Friendship”.
Em 2017 e 2018 realizará concertos com a State Symphony Orchestra da República do Tartaristão, State Academic Svetlanov Symphony Orchestra of Russia e a Academic Symphony Orchestra da Moscow Philharmonic, entre outros.
Atualmente, toca com o violino que pertenceu a Joseph Szigeti construído por Pietro Guarneri.

O concerto