Masterclasses & Workshops

Na décima terceira edição do Festival Internacional Música da Primavera de Viseu voltamos a apostar na formação especializada. Acreditamos que o contacto com perspetivas de diferentes professores e instrumentistas de reconhecido valor pedagógico e artístico é um alicerce essencial para dar ferramentas a jovens e profissionais, viseenses e outros.

Este ano teremos 12 masterclasses – desde o Piano à Guitarra – no total de 7 instrumentos. Com formadores de talento internacional, esta será uma bela oportunidade de enriquecimento e aprendizagem para todos os inscritos.

Pretendemos com esta oferta proporcionar aos participantes o contacto com diferentes metodologias de trabalho e fomentar a troca de experiência entre formando e formador.
Estas atividades destinam-se a todos os músicos desde o alunos do Curso Básico a Profissionais.

Este ano, oferecemos aos participantes interessados em 2 ou 4 masterclasses do mesmo instrumento uma promoção especial, nomeadamente 2 Masterclasses: Alunos do Conservatório de Viseu: 40€; Alunos externos: 60€ e 4 Masterclasses: Alunos do Conservatório de Viseu: 70€; Alunos externos: 100€.

Masterclass

Piano com Ilya Rashkovskiy

Masterclass
2020 (sexta)
Horário: 09h00-12h00 & 14h00-17h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Elegível para a promoção “2 Masterclasses”
Fazer a inscrição
ILYA RASHKOVSKIY
Ilya Rashkovskiy, pianista russo, nasceu em Irkutsk, a 17 de novembro de 1984.
Estreou-se na Orquestra de Câmara de Irkutsk aos oito anos de idade. Mais tarde, formou-se na Musikhochschule Hannover (Prof. V. Krainev) e na Ecole Normale Supérieure A. Cortot em Paris (Prof. M. Rybicki). Antes de receber o 1º prémio no 8º Concurso Internacional de Piano de Hamamatsu em 2012, já estava entre os principais vencedores de concursos internacionais de piano, como M.Long – J.Thibaud em Paris, Queen Elisabeth em Bruxelas, A. Rubinstein em Tel Aviv e 1º Concurso Internacional de Piano de Hong Kong.
Colaborou com a Sinfonia Estatal Russa, a Filarmónica Nacional de Kiev, a Orquestra Gulbenkian, a Sinfonia Nacional Tcheca e a Nova Sinfonia do Japão. É frequente escutá-lo enquanto músico de câmara. Atualmente, tem vários CDs publicados, incluindo Chopin Complete Etudes, bem como Scriabin Complete Piano Sonatas.
Desde 2017, é professor convidado na Universidade de Sungshin Woman, em Seul. Os destaques desta temporada incluem concertos em Dresden, sob Valeriy Gergiev, com Mariinsky Symphony Orchestra, no Suntory Hall com Tokyo Symphony, recitais em São Petersburgo, Xangai, Hong Kong e Montevidéu.

Masterclass

Piano com Raphael Alexandre Lustchevsky

Masterclass
2020 (sexta)
Horário: 09h00-12h00 & 14h00-17h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Elegível para a promoção “2 Masterclasses”
Fazer a inscrição
RAPHAEL ALEXANDRE LUSTCHEVSKY
O polaco Raphael Alexandre Lustchevsky fez a sua estreia artística aos 16 anos com a Orquestra Sinfónica de Tóquio. Reunindo as mais altas aclamações do público e da crítica musical, o pianista pertence hoje aos artistas mais célebres de sua geração. O seu nome como Steinway Artist aparece na prestigiada lista “The Steinway & Sons Artists ‘Roster” em Nova York – um catálogo dos pianistas mais respeitados do mundo. É também conhecido como artista da empresa Montblanc.
Realizou concertos em várias salas de prestígio, como: Teatro do Châtelet em Paris, Filarmónica Nacional de Varsóvia, Palau de Música em Barcelona, ​​KKL em Lucerna, Palácio das Nações em Genebra, Suntory Hall em Tóquio, Victoria Sala de Concertos em Singapura, Sala Verbrugghen em Sydney, Sala Cecilia Meirelles no Rio de Janeiro, Salão Dourado em Buenos Aires, Teatro Solis em Montevideo, entre outros.
Lustchevsky apareceu em festivais internacionais de renome como: Lucerne Festival e Pianoforte Bellinzona na Suíça, Oraniensteiner Festwochen na Alemanha, Chopin Festival (Duszniki) e Mozart Festival (Varsóvia) na Polónia, Festival d’Orleans na França, Festival Lipatti na Roménia, Sarayevo Winter na Bósnia, L’Octobre Musicale na Tunísia, Festival Cervantino no México, Festival Chopiniana em Buenos Aires (Argentina), Festival Internacional de Piano em Kuala Lumpur (Malásia), Festival de Palm Beach no EUA e outros.

[Biografia completa aqui]

Masterclass

Saxofone com Mário Marques

Masterclass
2020 (terça)
Horário: 09h00-12h00 & 14h00-17h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Fazer a inscrição
MÁRIO MARQUES
Mário Dinis Marques nasceu em 1972 na cidade de Alcobaça.
Estudou saxofone no Conservatório de música de Lisboa. Em 2002 concluiu a licenciatura em saxofone na Escola Superior de Música de Lisboa e em 2105 o Doutoramento em performance na Universidade de Évora.
Tem integrado regularmente, como músico solista, a Orquestra Calouste Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Nacional do Porto, Orquestra Metropolitana de Lisboa e Orquestra do Algarve. A solo tocou com Orquestra das Beiras, Orquestra do Centro, Banda Sinfónica Portuguesa, Banda Sinfónica da P.S.P. Banda da Armada Portuguesa, Sinfonietta de Lisboa e a Banda Sinfónica de Alcobaça.
Colaborou em vários programas de televisão e teatro musical e gravou com diversos grupos portugueses como The Gift, Silence4, Deolinda, Bernardo Sassetti, Amália hoje, entre outros. Tem ainda como seus projetos pessoais os grupos Tubax, Rondó da Carpideira, The Postcard Brass Band, o duo Gonçalo Pescada & Mário Marques e o Quarteto de Saxofones Saxofínia, onde para além de músico, trabalha na produção e edição de discos.
Tem merecido o crédito de vários compositores como Daniel Bernardes, António Vitorino D´Almeida, Daniel Schvetz, Luís Cardoso, Christopher Bochmann, Eurico Carrapatoso, Clotilde Rosa, Jerry Grant, Petri Keskitalo, Howie Smith entre outros que lhe têm dedicado diversas obras musicais quer a solo quer aos seus vários grupos.
É também o produtor musical do espetáculo Lúmen – uma história de amor da companhia de S. A. Marionetas. Músico multifacetado e produtor musical de diversos discos tem aplicado essa experiência no estudo da interpretação musical e prática performativa, apresentando artigos em diversas conferências.
É professor auxiliar no Departamento de Música da Universidade de Évora onde também desempenha as funções de diretor do Mestrado em Música.
É membro fundador da Associação Portuguesa de Saxofone e membro do painel organizador do II Congresso Europeu de Saxofone/Porto2017.
É artista da marca Cannonball saxofones e D’áddario palhetas.

Masterclass

Acordeão com Gonçalo Pescada

Masterclass
2020 (terça)
Horário: 09h00-12h00 & 14h00-17h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Fazer a inscrição
GONÇALO PESCADA
Gonçalo Pescada nasceu em Faro, a 10 de agosto de 1979.
Doutorado com distinção e louvor em Música e Musicologia – vertente de Interpretação pela Universidade de Évora, em 2014, concluiu também a licenciatura bi-etápica em Música – vertente Interpretação pela Escola Superior de Artes Aplicadas (Castelo Branco), o Curso Complementar de Acordeão pelo Instituto Musical Vitorino Matono (Lisboa) e a Profissionalização em Serviço (M01 e M32) pela Universidade Aberta.
Foi distinguido com vários prémios, entre os quais: 1º Prémio no Concurso Nacional de Acordeão (Alcobaça, 1995), 1º Prémio no Concurso Internacional de Acordeão “Citá di Montese” (Itália, 2004) e 1º Prémio no Concurso de Interpretação do Estoril (2006).
Apresentou-se como solista com várias orquestras, estreando e interpretando várias obras em primeira audição em Portugal. Foi convidado a participar em festivais de enorme prestígio em Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Itália e Bulgária.
Tem gravado para rádios e televisões, destacando-se a RDP Antena 2, a RTP e a Rádio e Televisão Nacional Búlgara. A sua discografia compreende vários CD’s a solo, em música de câmara e com orquestra.
Alguns compositores têm-lhe dedicado novas obras para Acordeão. Atualmente é Professor Auxiliar no Departamento de Música da Universidade de Évora.

Masterclass

Canto com Isabel Alcobaia

Masterclass
2020 (terça)
Horário: 10h00-13h00 & 14h30-17h30
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Fazer a inscrição
ISABEL ALCOBIA
Isabel Alcobia iniciou os seus estudos de canto no Conservatório Nacional de Música de Lisboa com Filomena Amaro. Diplomou-se, como bolseira do governo espanhol, na Escola Superior de Canto de Madrid com Marimi del Pozo. Já como bolseira do Ministério da Cultura, concluiu o Mestrado na Universidade de Cincinnati (EUA) com Barbara Honn. É doutorada pela Universidade de Aveiro.
Desenvolve intensa atividade solística, tendo participado em diversos espetáculos em Portugal, Espanha, França, Alemanha, E.U.A. e República da China, tais como a ópera “Amor de Perdição”, a convite do Teatro Nacional São Carlos (com representações em Lisboa e Bruxelas no âmbito da Europália), “Auto Del Lirio y de la Azucena,” de José Peyro no Museu del Prado em Madrid, “Naufrágios e Milagres” de José Alberto Gil, onde interpretou o papel principal no Centro Cultural de Belém, para o Festival dos 100 Dias. Realizou um recital a solo com o pianista Francisco Sassetti e um concerto dirigido pelo Maestro John Leman no Teatro Camões (dia dos EUA), integrados na Expo’98.
Foi selecionada para interpretar Gilda (“Rigoletto” de Verdi) no Festival de Ópera da Cidade de Lucca, em Itália.
No domínio da Ópera destacam-se, ainda, as interpretações de Euridice (Orfeo), Pamina (A Flauta Mágica), Adele (O Morcego), Musetta (La Bohème), Giannetta (O Elixir do Amor), Norina (D.Pasquale), Julieta (Romeu e Julieta), Gilda (Rigoletto), Violeta (La Traviata) e Isabel (Floresta) de Eurico Carrapatoso.
Dedica parte da sua carreira à divulgação da música portuguesa, tendo estreado um ciclo de canções para soprano, trompa, piano e Orquestra de Eurico Carrapatoso e a obra “Aver-A-Ria” do mesmo compositor. Deu um recital em Macau integrado nas comemorações do dia de Portugal e interpretou Sibila na estreia absoluta da ópera “Auto de Coimbra” de Manuel Faria, do qual resultou o lançamento de um CD. Da sua discografia faz também parte um trabalho em conjunto com o cravista Mário Trilha, com Modinhas Portuguesas do século XIX e as Canções para canto e piano de Frederico de Freitas com a pianista Helena Marinho.
Participa com regularidade nos principais festivais e temporadas de música do país, em Concertos, Recitais e em Galas de Ópera sob direção dos maestros Michael Corboz, James Colon, Donato Renzetti, Franz Brüggen, Christopher Hogwood, Michael Zilm, David Jimenez, Ernst Schelle, Adriano Martinolli, António Saiote, Fernando Eldoro, Jorge Matta, Vasco Pearce de Azevedo, António Vassalo Lourenço e César Viana, e ainda com os pianistas Gabriela Canavilhas, João Paulo Santos, Carla Seixas, Ilda Ortin e Shao Ling.
Para além dos concertos com diversas orquestras por todo o país, onde se incluem a interpretação de obras como “Carmina Burana”, Requiem de Mozart e 9.ª Sinfonia de Beethoven, realiza, com regularidade, gravações para a RTP, RDP e RTP Açores.
Obteve diversos prémios em concursos de canto, sendo de salientar o 1.º prémio no concurso de canto em “Cleveland International Einsteddfod” (Inglaterra) e no concurso “Three Arts scholarship” (U.S.A).
Atuou no Coliseu do Porto ao lado de José Carreras num espetáculo transmitido em direto pela RTP. Na sequência desta atuação realizou, a convite deste prestigiado tenor, um concerto onde interpretaram árias e duetos de Ópera e Zarzuela. Em setembro de 2019 foi a soprano convidada a cantar com este prestigiado tenor no Altice Arena, concerto de despedida em Portugal.
No campo da pedagogia, tem realizado várias Masterclasses a convite de Universidades e Conservatórios Portugueses e Estrangeiros. É Professora Auxiliar do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro.

Masterclass

Violino com André Gaio Pereira

Masterclass
2020 (quarta)
Horário: 09h00-13h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Elegível para a promoção “2 Masterclasses”
Fazer a inscrição
ANDRÉ GAIO PEREIRA
André Gaio Pereira (Braga, 1994) foi nomeado Prémio Maestro Silva Pereira — Jovem Músico do Ano 2017. Interessado em diversas áreas da música, apresenta-se regularmente como solista, em música de câmara e em orquestra.
André iniciou os estudos de violino aos 7 anos. Dois anos depois, fez a sua estreia a solo na Festa da Música (CCB). Estudou com a professora Inês Saraiva e, mais tarde, com o professor Aníbal Lima, tendo ingressado na classe do romeno Remus Azoitei após a sua mudança para Londres, onde, em 2012, ingressou na Royal Academy of Music.
Em 2017, obteve o 1º Prémio no Prémio Jovens Músicos, onde tinha já sido o primeiro laureado no Nível Médio, em 2010. Foi também nesse ano que venceu o Concurso Internacional do Fundão — Nível IV. Em 2016, foi distinguido com o 2º Prémio no Concurso Vasco Barbosa. Como solista, André apresentou-se com a Orquestra Gulbenkian, a Orquestra do Algarve e a Orquestra Metropolitana de Lisboa. Desde tenra idade que se interessa por opiniões diferentes e versáteis, tendo assim participado em masterclasses com os professores Igor Oistrakh, Gilles Apap, Zakhar Bron, Anna Chumachenko, Pavel Vernikov, Maxim Vengerov e Gyorgy Pauk.
A sua paixão por música de câmara levou-o a formar vários grupos, nomeadamente o Trio Flatus e o Quarteto Tagus. Neste âmbito, apresentou-se nos festivais Harmos, Mendelssohn on Mull e no Festival Internacional de Música do Marvão. O Quarteto Tagus foi nomeado grupo de música de câmara em residência na Royal Academy of Music na temporada 2016/2017, apresentando-se nesse mesmo ano no prestigiado Wigmore Hall e lado a lado com o Doric Quartet.
Enquanto músico de orquestra, André apresentou-se por diversas vezes como concertino da Academy Symphony Orchestra sob a direção de maestros como Semyon Bychkov, Sir Mark Elder e Edward Gardner. Em 2015, foi selecionado para representar a universidade no Pacific Music Festival, onde trabalhou com Valery Gergiev. Na temporada 2016/2017, integrou o London Symphony Orchestra String Experience Scheme e, desde então, é membro reforço regular da orquestra.
Concluiu o Mestrado em Performance na Academy sob a tutela de Levon Chilingirian. É bolseiro da prestigiada ABRSM e ainda generosamente auxiliado pelas instituições Fundação Calouste Gulbenkian, Help Musicians UK e Countess of Munster Musical Trust.

Masterclass

Violino com Diogo Coelho

Masterclass
2020 (quarta)
Horário: 09h00-13h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Elegível para a promoção “2 Masterclasses”
Fazer a inscrição

DIOGO COELHO
Diogo Coelho (Porto, 1988) iniciou os seus estudos musicais aos oito anos de idade com Suzanna Lidegran no Conservatório de Música do Porto. Em 1999, foi admitido na Artave (Escola Profissional Artística do Vale do Ave) na classe da mesma pedagoga, concluindo a sua graduação com distinção.
Realizou os seus estudos superiores na ESMAE (Escola Superior de Artes do Espetáculo — Porto) com o prof. Dr. Radu Ungureanu onde terminou a Licenciatura em Instrumento (Violino) com a classificação máxima e o Mestrado em Interpretação Artística com média de dezoito valores.
No ano de 2010, obteve o primeiro prémio no Concurso Helena Sá e Costa, na ESMAE, tendo-se apresentado a solo com a Orquestra Sinfonieta, interpretando o Concerto nº 1 op. 9 de S. Prokofiev, sob a direção do maestro Vytautas Lukocius. Em 2013, ficou classificado em 2º lugar ex aequo no Concurso Internacional Santa Cecília.
Participou em Masterclasses com Boris Kuniev, Aníbal Lima, Zakhar Bron, Yossi Zivoni, Philippe Aiche, Roman Nodel, Daniel Rowland e Stephan Piccard, em violino, e com os prestigiados quartetos de cordas Prazak, Fine Arts, Pavel Haas, Ardeo e Ébéne.
Enquanto primeiro violino do Quarteto Verazin, tem-se apresentado no Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim, nos anos de 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018; Semanas da Música — Estoril, em 2013 e 2018; Dias da Música — CCB, 2013; a solo, Aurora Chamber Music Festival, sob a direção de Kürt Masur, em 2015.

Masterclass

Viola Alice Vaz

Masterclass
2020 (quarta)
Horário: 09h00-13h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Fazer a inscrição
ALICE VAZ
Alice Vaz começou os seus estudos musicais na Academia de Música e Belas Artes Luísa Todi e Escola Profissional de Música de Almada, nas classes dos professores Ângela Peixoto e Rui Fernandes. Neste período, ingressa na Orquestra Juvenil e adquire a primeira inspiração do tocar em conjunto.
Após a educação básica em Setúbal e Almada, inicia o Bacharelato em Pedagogia da Música na Universidade de Évora, sob orientada por Max Rabinovitsj.
Em 2007, em Bremen, começa com as Mestrias em Violino e Viola na classe de Thomas Klug e Esther van Stralen e, desde 2011, apresenta-se maiormente como violetista. A Alemanha apresentou-lhe um terreno fértil para a música antiga e contemporânea, onde trabalha regularmente com agrupamentos e artistas notáveis. Desde setembro 2017, é aluna na Folkwang Universität na classe de Barbara Maurer, no Mestrado em Música Contemporânea.

Masterclass

Clarinete com Horácio Ferreira

Masterclass
2020 (quarta)
Horário: 09h00-13h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Fazer a inscrição
HORÁCIO FERREIRA
Horácio Ferreira (Pinheiro de Ázere, 1988) iniciou o seu percurso musical na Sociedade Filarmónica Lealdade Pinheirense. É diplomado pela Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo, na classe de António Saiote. Enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, prosseguiu os seus estudos na Escuela Superior de Musica Reina Sofia, em Madrid, onde trabalhou com Michel Arrignon, e em Paris, com Nicolas Baldeyrou.
Jovem Músico do ano 2014 e primeiro clarinetista a vencer o nível médio e superior do Prémio Jovens Músicos, Horácio Ferreira foi premiado no “Concours Debussy” (Paris), no prestigiado “Prague Spring Competition” (Praga) e no Concurso Internacional de Clarinete “J. Pakalnis” (Vilnius).
Recebeu a medalha de mérito do Município de Santa Comba Dão e o Prémio Jovem Revelação pela revista Anim’Art.
Como solista, apresentou-se com inúmeras orquestras, de que se destacam a Gulbenkian, Sinfónica do Porto Casa da Música, Filarmónica Checa, de Câmara de Colónia, Orquestra XXI, Sinfónica Portuguesa, Estatal de Atenas e de Câmara de Israel, entre outras. Realizou concertos por todo o país, bem como em Espanha, França, Itália, Lituânia, Suécia, Dinamarca, EUA, Canadá, China, Israel e Brasil, destacando-se colaborações com o Quarteto de Cordas de Matosinhos, Novus String Quartet, ou os solistas da Orquestra XXI em vários festivais. Estreou em Portugal a versão para orquestra da Sonata n.º 1 de Brahms/Berio e, em Espanha, a “Contradança” de Telmo Marques. Gravou para a RDP/RTP, France Musique, Radio Catalã e Televisão Húngara.
“Rising Star” da European Concert Hall Organization, teve oportunidade de se apresentar nas mais prestigiadas salas de concerto europeias, destacando-se Concertgebouw (Amsterdão), Barbican (Londres), Musikverein (Viena), Philharmonie (Paris) e a nova Elbphilharmonie (Hamburgo).
Horácio Ferreira é artista da marca Vandoren.

Masterclass

Guitarra com Dejan Ivanovich

Masterclass
2020 (quarta)
Horário: 09h00-12h00 & 14h00-17h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Elegível para a promoção “2 Masterclasses” e “4 Masterclasses”
Fazer a inscrição
DEJAN IVANOVICH
O guitarrista croata Dejan Ivanovich nasceu em Tuzla (Bósnia e Herzegovina), em 1976, iniciando os seus estudos de guitarra com 8 anos de idade. Estudou com Predrag Stanković e Vojislav Ivanovich na Escola Primária e Secundária de Música, e com Darko Petrinjak na Academia de Música de Zagreb. Participou em masterclasses de John Duarte, Thomas Müller-Pering, Elliot Fisk, Costas Cotsiolis, Valter Dešpalj (violoncelo), Michael Steinkühler (viola da gamba) e Igor Lešnik (percussão). Foi orientado por Christopher Bochmann no Curso de Doutoramento da Universidade de Évora entre 2011 e 2014. A sua carreira profissional começou simultaneamente com o estudo superior (1994-1998). Atuou nalguns dos mais prestigiosos festivais de música como Festival de Spoleto (convidado pessoalmente pelo maestro Gian Carlo Menotti para o lugar de Artista Residente), Festival de Verão de Edimburgo, Festival de Costa de Estoril, Festival de Guitarra de Gevelsberg, Porto — Cidade Europeia da Cultura e Guitarra Viva (Croácia), entre outros. Atua também integrado em vários conjuntos de música de câmara: com flautista Vasco Gouveia, violoncelista Jed Barahal, guitarrista Masakazu Tokutake, soprano Ana Ester Neves, Quarteto de Cordas Lyra, etc. É o vencedor do 1.º Prémio e Prémio especial para Melhor Interpretação da Música Espanhola no 13.º Concurso Internacional de Guitarra Doña Infanta Cristina (Madrid, 1998); 1.º Prémio do 3.º Concurso Internacional da cidade de Sinaia (Roménia, 1998); 1.º Prémio do 17.º Certamen Internacional de Guitarra Andrés Segovia (Herradura, 2001); 1.º Prémio e Prémio do Público no 35.º Certamen Internacional de Guitarra Francisco Tárrega (Benicássim, 2001); 1.º Prémio do 4.º Concurso Internacional de Creta (Arhanes, 2005). É igualmente premiado nos concursos em Roma
(Itália) e Sernancelhe (Portugal). Colabora com várias orquestras como a Orquestra Real de Câmara de Wallonie (Bélgica), Orquestra de Benicássim (Espanha), Orquestra de Câmara da Eslováquia, Orquestra Sinfónica de Vojvodina (Sérvia), Orquestra Sinfónica das Beiras e Orquestra Metropolitana de Lisboa. Os seus recitais na Europa, África, América do Norte, América do Sul e Ásia receberam uma forte aceitação por parte do público e da crítica. Revistas e jornais como Ritmo (Espanha), Bremer Umchau (Alemanha), Sunday Herald Times (Indiana-EUA), The Scotsman (Escócia), Slobodna Dalmacija (Croácia) e Oslobodjenje (BiH) publicaram críticas positivas sobre em relação às suas interpretações. A revista espanhola Ritmo descreve Dejan como (…) corajoso, sensível jovem artista com uma técnica supreendente e uma musicalidade e criatividade em cada nota e frase (…) (1998). Em Zagreb (Croácia), D. Komanov, escreve o seguinte sobre a arte de Ivanovich:
[…] Interpretando um programa contrastante, enfatizado pela qualidade e peculiaridade de obras como Peças Líricas de Arregui e Sonatas de Bennett e Rózsa, Ivanovich apresentou o concerto com um discurso interpretativo profundamente pessoal, pensativo e inspirado. No coração da sua abordagem, distinta por um tratamento do texto extraordinariamente claro e preciso, existe uma resolução de uma detalhada relação com a forma musical, onde as suas interpretações crescem e se desenvolvem pela perspicuidade da inteireza rica e complexa de cada obra. Articulando a tensão interior gerada pelo corpo musical, Ivanovich nunca excede a margem invisível do externo ou do profano relativamente à dinâmica da expressão, mas sim, desvela uma paisagem delicada de introspeção para a perspetiva estabelecida do ouvinte. A paleta do som, bem como uma quase-perfeita qualidade geral de estrutura e imagem sonora em projeção, são caracterizadas pela acentuada expressão intimista — como um eco de rica herança alaudista. De alguma forma, isso foca a atenção para a plasticidade em relação à proximidade do enquadramento da singularidade estética de cada composição, dado que Ivanovich sublinha elementos essenciais com o seu modo particular de comunicação, rico, sobretudo, em aspeto narrativo, mas igualmente claro e reflexivo. Por isso é que Rêverie op. 19 de Regondi brilhará com uma simplicidade espontânea e um certo charme de expressão baseada numa abordagem romântica visando a forma musical, Peças Líricas de Arregui serão marcadas pelo gesto de expansão livre de som que molda as suas camadas de relevo. A interpretação da Sonata de Bennett marcou o discurso de restrição, redução e de uma forte dinâmica interior com um extraordinário formato de som altamente preciso, que forneceu a receção total de uma obra tão complexa e tremendamente exigente na sua forma. Na Sonata de Rózsa foi interessante observar a transformação da retórica interpretativa do guitarrista, relacionada com a nitidez na separação do seu material.” (klasika.hr [Croácia], Janeiro de 2012)
A sua discografia a solo é constituída por CD Recital na Laureate Series da NAXOS (2002) com obras de Matilde Salvador, Anton García Abril, Frederic Mompou, Richard Rodney Bennett, Malcolm Arnold, Gordon McPherson e Francisco Tárrega, e por CD Mediterraneo (gravado em 2001, aguarda publicação) com obras de Boris Papandopulo, Vicente Asencio, Antonio José Martínez Palacios, Joaquín Rodrigo, Carlo Domeniconi e Mario Castelnuovo-Tedesco. Em 2013, gravou a obra Em Memória da Madrugada de Marina Pikoul para guitarra e orquestra com a Orquestra Clássica do Centro, sob a direção do maestro David Wyn Lloyd. Christopher Bochmann, Marina Pikoul, Tomislav Oliver, João Madureira, Jorge Pereira, Ricardo Abreu, Francisco Chaves e Carlos Gutkin são alguns dos compositores que dedicaram as suas obras para Dejan. Integra desde 2004, juntamente com o guitarrista grego Michalis Kontaxakis, o Duo de guitarras Kontaxakis-Ivanovich. O primeiro CD deste Duo, intitulado Les Deux Amis e gravado pelo produtor Hubert Kappel em Colónia (Alemanha), foi lançado em 2010 pela Editora KSG EXAUDIO. Em 2005 cria o Festival Internacional Guitarmania em Lisboa do qual é diretor artístico até 2010. É desde 2007, professor de guitarra no Departamento de Música da Universidade de Évora. É doutorado em Música/Interpretação desde Março de 2015 com o tema Colaboração Entre Compositor e Intérprete na Criação de Música para Guitarra: Estudo do Processo Editorial no Repertório de Inglaterra, Croácia e Portugal.

Masterclass

Guitarra com Francisco Bernier

Masterclass
2020 (quarta)
Horário: 09h00-12h00 & 14h00-17h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Elegível para a promoção “2 Masterclasses” e “4 Masterclasses”
Fazer a inscrição
FRANCISCO BERNIER
Com mais de 500 espetáculos em 40 países da Europa, Américas, África e Ásia, Francisco Bernier é considerado pelos críticos como um dos grandes guitarristas da sua geração. Ele atuou em ambientes de prestígio como a Salle Cortot e o Théâtre Mogador de Paris, a Salle Corum de Montpellier, o Grand Théâtre de Bordeaux, Oji Hall de Tóquio, Kyoto Concert Hall, Kyoto Hermitage Museum de São Petersburgo, Teatro Maestranza de Sevilla, Teatro Comunale de Alessandria, Merkin Hall de Nova York, no Salão da OEA (Organização dos Estados Americanos) de Washington ou no Zellerbach Hall de São Francisco.
Finalista do Concert Artist Guild em Nova York, Francisco possui 20 prémios internacionais e, com apenas 20 anos, é o primeiro espanhol a ganhar o primeiro prémio no prestigiado Concurso Internacional de Guitarra “Michele Pittaluga” em Alessandria (Itália). Já se apresentou com orquestras como a St. Petersburg Camerata, a Manchester Symphony Orchestra, a Mediterranean Symphony Orchestra, a Vallés Symphony Orchestra, a Huelva Symphony Orchestra ou a San Francisco Berkeley Symphony, conduzida pelo mestre Kent Nagano.
Francisco Bernier inicia os seus estudos musicais no Conservatório de Música da sua cidade natal. Posteriormente, mudou-se para a École Normale “Alfred Cortot” em Paris, sob a direção do Mestre Alberto Ponce, obtendo o Diploma Superior de Execução e Concertista por unanimidade. Entre 1998 e 2002, continuou a aprofundar os seus estudos musicais na Université du Québec em Montreal com Alvaro Pierri (Canadá) e no Conservatoire National Supérieur em Paris com Roland Dyens. Também acompanha as aulas de David Russell, Léo Brouwer, José Tomás, Oscar Ghiglia e recebe conselhos de compositores, diretores de orquestra e músicos de outras disciplinas.
Gravou 9 CDs, o primeiro deles sob o patrocínio do Ministério da Cultura de Espanha – INAEM e em gravadoras de prestígio como Mandala-Harmonia Mundi ou Déclic-Radio France e participa de numerosas Gravações de rádio e televisão: para Deutsche Welle, Cadena Ser, R.T.V.E, R.A.I, Radio France International, Radio Classical, France Musiques ou o NHK japonês. Além disso, o seu interesse pela música contemporânea o levou a entrar em contato com compositores da nossa época, como Antón García Abril, José María Sánchez-Verdú, Luis de Pablo, Cesar Camarero, José Manuel López, entre outros. Ele é membro do grupo de música contemporânea Zahir Ensemble desde 2008.
Francisco Bernier também é homenageado pelas Fundações Emma Contestabile (Itália), Fundação Beracasa (França), Fundação La Caixa (Espanha), Fundação Meyer e Fundação BNPPARIBAS (França). Em 2014, ele foi um artista selecionado pelo Ministério das Relações Exteriores – AECID.
É doutorado em artes pela prestigiada Universidade de Música F. Chopin em Varsóvia (Polónia) e recentemente foi nomeado académico da Academia Real de Belas Artes de Santa Isabel da Hungria de Sevilha. Combina a sua carreira de concerto com o trabalho de professor, ocupando uma cadeira no Conservatório Superior de Música “Manuel Castillo” em Sevilha. É o diretor artístico do festival de La Guitarra de Sevilla e presidente fundador da gravadora Contrastes Records (Reino Unido) e diretor executivo e criador do Master of Guitar of Seville da Universidade Pablo de Olavide.

Masterclass

Guitarra com Joaquín Clerch

Masterclass
2020 (sábado)
Horário: 09h00-12h00 & 14h00-17h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Elegível para a promoção “2 Masterclasses” e “4 Masterclasses”
Fazer a inscrição
JOAQUÍN CLERCH
“Joaquín Clerch é provavelmente um dos países do mundo – se não o – principais guitarristas de sua geração” (Eliot Fisk).
O guitarrista cubano nasceu em 8 de agosto de 1965 em Havana, onde anos depois ele foi premiado com um dos mais prestigiados prêmios de arte concedidos pelo governo cubano, “Ordenação pela Cultura Nacional.” Ele estudou violão, música composição em sua terra natal e em 1989 completou sua estudos no Instituto Superior de Arte.
Em 1990, Joaquín Clerch continuou estudando no exterior, na Universidade Mozarteum em Salzburgo, Áustria, onde esteve O aluno de violão de Eliot Fisk e onde estudou música antiga com Anthony Spiri e Nikolaus Harnoncourt. Em 1991, Clerch terminou seus estudos em Salzburgo com honras e recebeu um prêmio por extraordinária conquista artística concedido pelo Ministério da Ciência e Pesquisa da Áustria. Também em 1991, iniciou sua carreira internacional de professor, primeiro como assistente do professor Fisk no Mozarteum e mais tarde lecionando no Conservatório de Munique. Desde 1999 ele está dando aulas de violão no Conservatório Robert Schumann em Dusseldorf. Joaquín Clerch é um músico talentoso.
“Não é apenas ele é um excelente guitarrista virtuoso e extremamente poético, mas ele também provou ser um intelectual extraordinário ao lidar com questões relacionadas à prática de desempenho e fazer música em geral” (Nikolaus Harnoncourt).
Joaquín venceu grandes competições de guitarra, incluindo o Concurso Internacional Andres Segovia (Granada, Espanha), Concurso Internacional de Guitarra Heitor Villalobos (Rio de Janeiro, Brasil), Printemps de la Guitare (Charleroi / Bruxelas, Bélgica) e ARD (Munique, Alemanha). Clerch deu concertos de guitarra em muitas cidades e concertos salas, incluindo Concertgebouw (Amsterdã, Holanda), Palácio da Música (Barcelona, ​​Espanha), Teatro Royal de la Monnaie (Bruxelas, Bélgica), Alte Oper (Frankfurt, Alemanha), Semperoper (Dresden, Alemanha), Auditório Manuel de Falla (Granada, Espanha), Teatro Nacional (Havana, Cuba), Cemal Resit Rey (Istambul, Turquia), Kölner Philharmonie (Colônia, Alemanha), Brucknerhaus (Linz, Áustria), Auditório Nacional de Música (Madri, Espanha), Münchener Philharmonie (Munique, Alemanha), Rádio França (Paris, França), Sala de Concertos de Pequim (Pequim, China) e Konzerthaus (Viena, Áustria).
Clerch atuou como solista com orquestras, incluindo o Orquestra Sinfônica da Rádio da Baviera, o nacional da Espanha Orquestra Sinfônica, Orquestra Nacional de Cuba, Filarmônica Orquestra de Bogotá, Orquestra Filarmônica de Stuttgart, Mozarteum Orchestra Salzburg e Orquestra Nacional de Capitole de Toulouse (conduzido por Michel Plasson). Ele tem também tocou com a Orquestra Filarmônica de Gran Canaria, conduzido por Adrian Leaper, com o qual ele gravou o primeiro apresentação de dois concertos de guitarra escritos para ele por Leo Brouwer e Carlos Fariñas (Concierto de la Habana, 1998, e Concierto, 1996). Ambos os compositores eram seus professores e são considerados dois dos compositores mais importantes de Cuba história.
Clerch não é apenas conhecido como guitarrista, mas também como compositor. Seus trabalhos para guitarra são publicados por Musikverlag Zimmermann, anteriormente Chanterelle, e performances são lançadas sob o rótulo Naxos. As próprias performances de Clerch em seus shows de guitarra são disponível sob registros duo-phon e MDG. Em 2009, Clerch recebeu o Prêmio Echo de Clássica Cubana (CD).Em 2012, ganhou o Prêmio Disco Cuba por sua atuação em Obras completas de Carlos Fariñas.
“Algumas pessoas simplesmente nascem para fazer música: alguém como Mozart ou o guitarrista e compositor cubano Joaquín Clerch” (Klassieke Zaken).

Masterclass

Guitarra com Thibault Cauvin

Masterclass
2020 (sábado)
Horário: 09h00-12h00 & 14h00-17h00
Preço (Aulas individuais de 30 minutos): Alunos do Conservatório de Viseu: 25€; Alunos externos: 40€; Ouvintes: 5€
Elegível para a promoção “2 Masterclasses” e “4 Masterclasses”
Fazer a inscrição
THIBAULT CAUVIN
Thibault Cauvin nasceu com a guitarra nas mãos, oferecida pelo pai, ele próprio músico. O caminho que se seguiu foi o mais natural: estudou pela primeira vez no Conservatório de Bordeaux e depois no Conservatório Nacional de Paris, formando-se com honras. Muito brincalhão, apaixonou-se pelos desafios das competições internacionais, o único trampolim para um artista que quer fazer carreira. Amplamente aclamado pela sua juventude, paixão e criatividade, venceu diversos prémios e, aos 20 anos, já totalizava 36 prémios (13 primeiros prémios) – mais do que qualquer guitarrista àquela idade. Os convites para concertos seguiram-se, todos queriam ouvir o jovem senhor das seis cordas.
Thibault está em digressão há 15 anos, tocando nos salões mais prestigiados do mundo. Virtualmente 120 países, 1000 concertos a solo, agitando o Carnegie Hall de Nova York, o Moscow Tchaikovsky Hall, o Shanghai Concert Hall, o London Queen Elizabeth Hall, entre muitos outros. Como adora momentos musicais especiais, Thibault propôs além dos seus espetáculos regulares, uma «Magic Tour». Esta série de apresentações em lugares simbólicos, atípicos e mágicos começou na Torre Eiffel em 2017 e já parou na Cidade Proibida de Pequim, no Palácio da Paz de Haia, nas ruínas de Quito no Equador, no palmeiral de Marrakech, na Royal Great Beach para mais de 40 000 pessoas…
O toque universal e a personalidade graciosa de Thibault encantaram e reuniram todo o tipo de públicos em redor. Os críticos especializados, bem como as médias mais populares, são unanimemente seduzidos pelo «Fenômeno de Cauvin». Um músico clássico raramente é visto na comnicação social francesa tanto quanto ele – Quotidien por Yann Barthès, Entrée Libre por Claire Chazal, Stupéfiant por Léa Salamé, Alcaline na França 2, Les Victoires de la Musique Classique na França 3, etc. France Musique chegou a dar-lhe destaque por um dia inteiro. O jovem senhor das cordas cresceu e seu sonho de mover o coração das pessoas parece tornar-se realidade.
Em setembro de 2018, a Sony Music lançou o “Cities II”, o décimo álbum de Thibault. Depois de apresentar discos de reconhecidos compositores clássicos como Scarlatti, Albéniz ou, mais recentemente, Vivaldi, gravado com o Orchester de Chambre de Paris na Philharmonie de Paris, Thibault oferece agora um projeto muito pessoal, aberto a outros estilos musicais. Usando várias peças escritas em colaboração com compositores que conheceu ao longo de sua “digressão sem fim”, presta homenagem a doze cidades de classe mundial que o inspiraram e o fascinaram. Um álbum que evoca andanças e sonhos, feitos por duetos inesperados e vulneráveis ​​com músicos de diferentes mundos musicais, unidos pela poesia da viagem: Erik Truffaz, Ballaké Sissoko, Matthieu Chedid, Didier Lockwood, Lea Desandre, Thylacine, Christian-Pierre La Marca e Adélaïde Ferrière. Gravado no místico Château d’Hérouville, que reabriu suas portas especialmente para a ocasião após 15 anos de silêncio, este álbum tem um sabor muito único.
Thibault é, também, o porta-voz oficial do Dia da Doação de Sangue na França, foi nomeado “Ambassadeur de Bordeaux”, é o patrono da “Paris Guitar Foundation” e, como surfista apaixonado, é patrocinado pela Billabong. O céu é o limite para Thibault e a sua guitarra. O seu som inspirado, expressivo e natural tem atravessado os gostos das diferentes gerações que o escutam. Enquanto toca guitarra – um instrumento popular e erudito, que é bastante novo na música clássica em comparação com outros -, é provável que se torne uma rainha entre os instrumentos musicais no século XXI…

Inscrições

Neste momento as inscrições ainda não estão abertas.
Teremos novidades sobre as datas destas atividades brevemente
Qualquer outra dúvida pode contactar-nos para o email masterclasses@musicadaprimavera.pt.