Masterclasses & Workshops

Na décima primeira edição do Festival Internacional Música da Primavera de Viseu voltamos a apostar na formação especializada. Acreditamos que o contacto com perspectivas de diferentes professores e instrumentistas de reconhecido valor pedagógico e artístico é um alicerce essencial para dar ferramentas a jovens e profissionais viseenses e outros.
Este ano, entre 7 e 28 de Abril, teremos 8 workshops e masterclasses – desde o Órgão a Guitarra – no total de 6 instrumentos e técnicas. Com formadores de talento internacional, esta será uma bela oportunidade de enriquecimento e aprendizagem para todos os inscritos.
Pretendemos com esta oferta proporcionar aos participantes o contacto com diferentes metodologias de trabalho e fomentar a troca de experiência entre formando e formador.
Estas atividades destinam-se a todos os músicos desde o alunos do Curso Básico a Profissionais.

Masterclass com Workshop

Órgão com João Paulo Janeiro

Masterclass com Workshop

7 de Abril, 2018 (Sábado).
Horário: 11h00-13h00 e 14h30-16h30
Para: Estudantes de música do curso Básico ao Superior e profissionais.

Fazer a inscrição
Consultar preços
JOÃO PAULO JANEIRO
Intérprete de instrumentos de tecla históricos, divide a sua atividade profissional entre a investigação, concertos, gravações e a docência. Teve a sua formação em Lisboa, onde completou os estudos em cravo, órgão, clavicórdio e musicologia histórica.
Fundou e dirige os agrupamentos Flores de Mvsica, Capella Joanina e Concerto Ibérico, com os quais tem difundido ativamente património musical de Portugal. Colaborou com orquestras portuguesas e estrangeiras e gravou diversos CD em órgãos e instrumentos de tecla históricos dedicados à música portuguesa.

Participou em vários festivais de música internacionais em Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, como solista ou director musical.
Orientou as edições críticas das Sonatas e Duetos de João Baptista Avondano. Dirige o projecto editorial das obras completas de Francisco António de Almeida na MAACedita, no âmbito do qual concluiu já as partituras e os CD do Te Deum e da Grande Missa em Fá. Gravou também para CD o Matuttino de’ Morti de David Perez e prepara a respectiva edição crítica da partitura; bem como da música de câmara de Pedro António Avondano. Dirigiu diversas óperas barrocas em Portugal e Itália. Prepara as edições críticas de La Pazienza di Socrate da primeira ópera de um compositor português — F. A. Almeida — e da abertura das vésperas Domine ad Adjuvandum me Festina, para solistas coro e orquestra também do mesmo compositor. Tem trabalhado também na reconstrução dos Concertos Grossos de Pereira da Costa, Mestre de Capela da Sé do Funchal, escritos em meados do século dezoito, e promovido a difusão a obra de João Lourenço Rebelo em concertos estágios internacionais em Itália e, mais recentemente com a gravação do CD Vésperas da Beata Virgem Maria deste compositor.

Concebeu os projetos e dirige os festivais ‘West Coast Early Music Festival’, Ciclo de Teclas Fim da Tarde’, ‘Série Ibérica de Música Antiga’ e ‘Jornadas de Órgão do Alentejo’. Realizou o Inventário de Órgãos Históricos do Alentejo para a Direção Regional da Cultura e coordenou processos de restauro. Concebeu e dirige os Cursos Internacionais de Música Antiga (Idanha-a-Velha) e os Concursos Internacionais de Jovens Intérpretes de Música Antiga.

Leciona cravo, música de câmara e baixo contínuo e as classes de interpretação histórica na ESART-IPCB e de órgão na EMNSC.
Tem realizado diversas actividades de difusão dos instrumentos de tecla históricos e da performance histórica, bem como concertos e dirigido masterclasses de cravo, baixo contínuo e orquestra barroca em Portugal e Itália. É presidente da MAAC, membro fundador do CESEM (FCSH-UNL) e da Sociedade Portuguesa de Investigação em Música (SPIM).
Tem apresentado comunicações e publicado artigos na área da organologia e música barroca portuguesa e realizado numerosas primeiras audições modernas de obras do património musical português. Prepara uma dissertação sobre o baixo contínuo na música de João Lourenço Rebelo.

Masterclass com Workshop

Percussão com Mário Teixeira

Masterclass com Workshop

7 de Abril, 2018 (Sábado).
Horário: 10h00-12h30 e 14h30-18h30
Para: Estudantes de música do curso Básico ao Superior e profissionais.

Fazer a inscrição
Consultar preços
MÁRIO TEIXEIRA
Mário Teixeira (1971) é formado pela Escola Profissional de Música de Espinho (EPME), com Carlos Voss, pela Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE), com Miquel Bernat, e pelo Conservatório Superior de Roterdão, com Robert Van Sice. É ainda Mestre e Doutor pela Universidade de Aveiro, com as dissertações “A interpretação da música japonesa para Marimba” e “O Tai Chi Chuan na Percussão”.
Estreou numerosas obras para agrupamento contemporâneo, para grupo de percussão, música de câmara e solo. Dedicando-se essencialmente à música contemporânea, os seus interesses passam também pela música clássica, tendo variadas experiências no âmbito do Jazz e do Rock.
Tocou com Henry Bock, Ivan Monighetti, Maria Schneider, Umo Jazz Orchestra, Maria João, John Zorn, Pedro Burmester, Fausto Neves, entre outros. Colaborou com as orquestras Régie Sinfonia, Orquestra do Norte, Orquestra Nacional do Porto, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Oficina Musical, Orquestra da EPME., Círculo Portuense de Ópera, Ictus Ensemble (Bélgica), Plural Ensemble (Espanha), Quarteto de Pianos de Madrid, Orquestra Gulbenkian e Coro Gulbenkian. Leccionou no Conservatório de Aveiro, no Conservatório de Braga e na Escola Profissional de Música de Espinho.
Leciona percussão na Universidade de Aveiro, desde 1999. É membro fundador do Drumming – Grupo de Percussão, membro do Remix Ensemble, do grupo Performa, Camerata Nov’arte e do Magnet Duo.
É praticante de Tai Chi Chuan.

Masterclass com Workshop

Violino com João Mendes

Masterclass com Workshop

13 de Abril, 2018 (Sexta).
Horário: 10h00-12h30 e 14h30-18h30
Para: Estudantes de música do curso Básico ao Superior e profissionais.

Fazer a inscrição
Consultar preços
JOÃO MENDES
João Pedro Ribeiro Mendes iniciou os seus estudos musicais aos 9 anos de idade, no Conservatório Regional de Música de Castelo Branco, na classe do Prof. António Ramos. Em 1992, ingressou na EPABI (Escola Profissional De Artes Da Beira Interior), na classe do Prof. António Ramos.
Tocou a solo com orquestra da EPABI em 1998, o concerto de Tchaikovsky, sob a direção de Luís Cipriano.
Em 1997, participou no concurso “Júlio Cardona”, obtendo o 2º prémio ex aequo com Pedro Meireles, na classe B.
Em 1998, terminou a prova de aptidão profissional (violino) com nota máxima. Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, enquanto estudante na EPABI.
Frequentou várias master classes e cursos de aperfeiçoamento em Portugal e no estrangeiro com os Prof. Manuel Teixeira, Jean Lenert, Kay Moser, Gerardo Ribeiro, Augustin Dumay, Hagai Sharan, Marcelino Rodrigues, Angel Sampedro, Daniel Rowland, Zakar Brown, entre outros.
Participou também em várias orquestras onde trabalhou com vários maestros: Luís Cipriano, Miguel Graça Moura, Leonardo Barros, Jean Marc Burfin, Ernst Schell, António Saiote, Alex Klein entre outros.
No ensino superior estudou no Conservatório Superior Salamanca, ESML e ESART com Prof. Patrício Gutiérrez, Profª Alexandra Mendes, Prof. António José Miranda, Daniel Rowland.
Em 2005, concluiu a Licenciatura na ESART, na classe do Prof. Daniel Rowland, com nota de 19 valores (violino).
Em Maio de 2005, tocou a solo com a Orquestra da ESART, interpretando o concerto para violino e orquestra de J. Sibélius, dirigido pelo Maestro Osvaldo Ferreira.
Tem-se apresentado a solo, com vários grupos de Música de Câmara e Orquestras: Orquestra Gulbenkian, Orquestra Clássica do Centro, Orquestra Barroca “Capela Real”, Orquestra Barroca “Ars Antiqua”, Orquestra Barroca “ Divino Sospiro”.
Atualmente leciona na Epabi (Escola Profissional da Covilhã) e no conservatório de música da Covilhã.

Masterclass com Workshop

Violoncelo com Ricardo Mota

Masterclass com Workshop

13 de Abril, 2018 (Sexta).
Horário: 10h00-12h30 e 14h30-18h30
Para: Estudantes de música do curso Básico ao Superior e profissionais.

Fazer a inscrição
Consultar preços
RICARDO MOTA
Iniciou os seus estudos musicais aos 7 anos na Escola de Música Nossa Senhora do Cabo, em Linda-a-Velha, nas classes de violoncelo da Professora Catarina Anacleto e, três anos mais tarde, do Professor Andrzej Michalczyk.
Prosseguiu a sua formação com o Professor Luís Sá Pessoa na Escola de Música do Conservatório Nacional e, mais tarde, foi admitido no Conservatório de Zwolle (Holanda), na classe do Professor Jeroen Reuling.
Integrou, como membro efectivo, a Orquestra Sinfónica Juvenil, formação com a qual se apresentou regularmente enquanto solista e da qual foi chefe de naipe até 2008.
Participou em inúmeras masterclasses e cursos de aperfeiçoamento, orientados por conceituados artistas como Ivan Monigheti, Márcio Carneiro, Gary Hoffman, Elias Arizcuren, Xavier Philips, Peter Bruns, Xavier Gagnepain, Paulo Gaio Lima, Jaap Kruitoff, Jeroen Reuling, Francois Guye, Levon Mouradian e Michael Bochmann.
É violoncelista e membro fundador do Quarteto de Cordas “São Roque”, com o qual tem actuado por todo o país e no estrangeiro (Irlanda, Luxemburgo, Andorra, Inglaterra, México). É também violoncelista do João Roiz Ensemble de Castelo Branco.
Colaborou com diversas orquestras nacionais como a Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Metropolitana, Sinfonia B e Sinfonietta de Lisboa, sob a direcção de Julia Jones, Peter Rundel, Joana Carneiro, César Viana e Vasco Pearce de Azevedo.
Em 2008, iniciou em Chicago a formação de Professor do Método Suzuki com Tanya Carey, uma prestigiada professora e violoncelista norte-americana. É membro da SAA (Suzuki Association of the Americas).
Em 2009, concluiu a Licenciatura em Violoncelo na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe da Professora Clélia Vital. Em 2015 concluiu o Mestrado em Pedagogia do Instrumento na Metropolitana/Universidade Lusíada sob a orientação do Professor Paulo Gaio Lima.
Enquanto docente, foi coordenador do programa do Método Suzuki para Violoncelo no Conservatório Metropolitano de Música de Lisboa, e lecionou também na Escola de Música do Conservatório Nacional.
É Professor na Academia de Música de Lisboa desde o início do ano letivo 2011/2012, e na Escola de Música Nossa Senhora do Cabo.

Masterclass com Workshop

Flauta com Monika Streitová

Masterclass com Workshop

21 de Abril, 2018 (Sábado).
Horário: 10h00-12h30 e 14h30-18h30
Para: Estudantes de música do curso Básico ao Superior e profissionais.

Fazer a inscrição
Consultar preços
MONIKA STREITOVÁ
Monika Streitová Flautista, investigadora e professora de flauta na Universidade de Évora. Graduou-se com a classificação máxima na Universidade de Bratislava(Eslováquia) no Departamento de Música e Artes Dramáticas, onde se especializou em flauta transversal. Nesta universidade realizou os seus estudos de doutoramento em Interpretação de Música Contemporânea sob a orientação de M. Jurkovic. Realizou investigação científica de pós-doutoramento na Universidade de Aveiro e faz parte de uma unidade de investigação do Instituto de Etnomusicologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. O seu reportório inclui mais de cem estreias mundiais. Trabalhou, com as estações BBC, ORF2 Viena e BRB Berlim. Gravou 5 CD a solo e 18 CD com vários grupos musicais. O seu CD “Luminiscence”, a solo, recebeu a mais elevada menção por parte da crítica da Rádio 2 da República Checa. “Dual”, o CD com cinco obras em estreia mundial, gravado com a pianista Sofia Lourenço e editado em Março 2008 foi apresentado na Casa da Música no Porto. Tem-se apresentado, quer em projectos a solo, quer em diversas formações, em vários países, destacando-se a Alemanha, Áustria, Brasil, Emirates Árabes, Espanha, França, Holanda, Hungria, Inglaterra, Japão, Polónia, Portugal, República Checa, República Eslováquia e Suíça. A propósito do seu trabalho a revista Ípsilon do jornal o Publico de 27/09/2010 dizia o seguinte: “Destaquem-se ainda os espectaculares intérpretes Monika Streitová (flauta) e Pedro Rodrigues (guitarra), que mostraram que a música contemporânea tem hoje em Portugal soberbos intérpretes à disposição.” (Pedro Boléo, musicólogo e crítico de música; Jornal Público). “Monika Streitová e Pedro Rodrigues, tanto enquanto Ensemble como individualmente, mostraram qualidades extraordinárias de interpretação, nomeadamente uma enorme segurança, sensibilidade, garra e capacidade de adaptação a textos musicais de qualidades distintas e diversas.” (Tiago Cabrita, compositor; Espaço para a Crítica da Nova Música, acerca do recital no CCB Lisboa.)
“It was always a great pleasure for me to hear playing of Monika Duarte Streitová, her musicality and sensitivity. I am continuously convicted that Monika Duarte Streitová is a great talent of the flute playing, and also a very intelligent and sensible musician.” (István Matuz, Professor of the Debrecen University and International Concert-soloist).

Masterclass com Workshop

Guitarra com Pedro Rodrigues

Masterclass com Workshop

21 de Abril, 2018 (Sábado).
Horário: 10h00-12h30 e 14h30-18h30
Para: Estudantes de música do curso Básico ao Superior e profissionais.

Fazer a inscrição
Consultar preços
PEDRO RODRIGUES
Vencedor do Artists International Auditions (Nova Iorque), Concorso Sor (Roma), Prémio Jovens Músicos e premiado nos concursos de Salieri-Zinetti, Paris, Montélimar, Valencia, Sernancelhe entre outros, Pedro Rodrigues iniciou o seu percurso musical aos 5 anos de idade, tendo estudado com José Mesquita Lopes na Escola de Música do Orfeão de Leiria onde terminou os estudos com a classificação máxima como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Participou em masterclasses com David Russell, Leo Brouwer, Joaquin Clerch e Darko Petrinjiak. Posteriormente estuda com Alberto Ponce na École Normale de Musique de Paris onde recebe os Diplomas Superiores de Concertista em Música de Câmara e Guitarra, este último com a classificação máxima, unanimidade e felicitações do júri. Sob a orientação de Paulo Vaz de Carvalho e Alberto Ponce concluiu em 2011 o Doutoramento na Universidade de Aveiro como bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia. Apresentou-se a solo em salas reconhecidas internacionalmente como o Carnegie Hall de Nova Iorque, a Salle Cortot de Paris, National Concert Hall de Taipei, Ateneo de Madrid, Sala Manuel de Falla de Madrid, Endler Hall de Cape Town, India International Centre de New Delhi, Sala Raúl Juliá de San Juan, Centro Cultural de Belém, Casa da Música, o Grande Auditório da Fundação Gulbenkian e os festivais de Mikulov, Paris, Santo Tirso, Música Viva, Sernancelhe, Caruso Festival, Miguel Llobet, Forfest Kromeriz, Vital Medeiros entre outros. Estreou mais de 60 obras dos mais importantes compositores portugueses como João Pedro Oliveira, Cândido Lima, Isabel Soveral, Sara Carvalho, António Sousa Dias, José Luís Ferreira, Carlos Caires entre outros. Muitas destas obras foram-lhe dedicadas. Em 2010 criou com Monika Streitová e José Luís Ferreira o Machina Lírica Ensemble, agrupamento especialmente dedicado à divulgação da música contemporânea. Fez gravações para RTP, RDP, RTM, SABC, Cesky Rozhlas, WIPR e gravou discos com as editoras Numérica, Nuova Venezia, Portugaler, Slovartmusic e JNS Music e foi solista com a Orquestra Gulbenkian, Filarmonia das Beiras, Orquestra do Algarve, Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras entre outras. Colaborou com a Orchestrutópica, Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, Grupo Música Nova e Miso Music Portugal. É igualmente convidado com regularidade para leccionar masterclasses em conservatórios e universidades na Europa, América do Norte e Sul, África e Ásia. As suas transcrições e edições estão editadas pela Mel Bay Publications, AVA Editions e Notação XXI. Como investigador, proferiu conferências em Inglaterra, Brasil e Portugal dedicadas às temáticas da transcrição e da música contemporânea. Enquanto divulgador, criou com João Paulo Henriques a Revista Guitarra Clássica e, mais recente criou e apresentou o programa “Seis Cordas Para Um País” transmitido na Antena 2. Foi professor na Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa, Escola de Música do Porto e presentemente é Professor Auxiliar no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro

Masterclass com Workshop

Guitarra com Dejan Ivanović

Masterclass com Workshop

28 de Abril, 2018 (Sábado).
Horário: 10h00-12h30 e 14h30-18h30
Para: Estudantes de música do curso Básico ao Superior e profissionais.

Fazer a inscrição
Consultar preços
DEJAN IVANOVIĆ
O guitarrista croata Dejan Ivanović nasceu em Tuzla (Bósnia e Herzegovina), em 1976, iniciando os seus estudos de guitarra com 8 anos de idade. Estudou com Predrag Stanković e Vojislav Ivanović na Escola Primária e Secundária de Música, e com Darko Petrinjak na Academia de Música de Zagreb. Participou em masterclasses de John Duarte, Thomas Müller-Pering, Elliot Fisk, Costas Cotsiolis, Valter Dešpalj (violoncelo), Michael Steinkühler (viola da gamba) e Igor Lešnik (percussão). Foi orientado por Christopher Bochmann no Curso de Doutoramento da Universidade de Évora entre 2011 e 2014. A sua carreira profissional começou simultaneamente com o estudo superior (1994-1998). Atuou nalguns dos mais prestigiosos festivais de música como Festival de Spoleto (convidado pessoalmente pelo maestro Gian Carlo Menotti para o lugar de Artista Residente), Festival de Verão de Edimburgo, Festival de Costa de Estoril, Festival de Guitarra de Gevelsberg, Porto — Cidade Europeia da Cultura e Guitarra Viva (Croácia), entre outros. Atua também integrado em vários conjuntos de música de câmara: com flautista Vasco Gouveia, violoncelista Jed Barahal, guitarrista Masakazu Tokutake, soprano Ana Ester Neves, Quarteto de Cordas Lyra, etc. É o vencedor do 1.º Prémio e Prémio especial para Melhor Interpretação da Música Espanhola no 13.º Concurso Internacional de Guitarra Doña Infanta Cristina (Madrid, 1998); 1.º Prémio do 3.º Concurso Internacional da cidade de Sinaia (Roménia, 1998); 1.º Prémio do 17.º Certamen Internacional de Guitarra Andrés Segovia (Herradura, 2001); 1.º Prémio e Prémio do Público no 35.º Certamen Internacional de Guitarra Francisco Tárrega (Benicássim, 2001); 1.º Prémio do 4.º Concurso Internacional de Creta (Arhanes, 2005). É igualmente premiado nos concursos em Roma (Itália) e Sernancelhe (Portugal). Colabora com várias orquestras como a Orquestra Real de Câmara de Wallonie (Bélgica), Orquestra de Benicássim (Espanha), Orquestra de Câmara da Eslováquia, Orquestra Sinfónica de Vojvodina (Sérvia), Orquestra Sinfónica das Beiras e Orquestra Metropolitana de Lisboa. Os seus recitais na Europa, África, América do Norte, América do Sul e Ásia receberam uma forte aceitação por parte do público e da crítica.
Revistas e jornais como Ritmo (Espanha), Bremer Umchau (Alemanha), Sunday Herald Times (Indiana-EUA), The Scotsman (Escócia), Slobodna Dalmacija (Croácia) e Oslobodjenje (BiH) publicaram críticas positivas sobre em relação às suas interpretações. A revista espanhola Ritmo descreve Dejan como (…) corajoso, sensível jovem artista com uma técnica surpreendente e uma musicalidade e criatividade em cada nota e frase (…) (1998). Em Zagreb (Croácia), D. Komanov, escreve o seguinte sobre a arte de Ivanović:

[…] Interpretando um programa contrastante, enfatizado pela qualidade e peculiaridade de obras como Peças Líricas de Arregui e Sonatas de Bennett e Rózsa, Ivanović apresentou o concerto com um discurso interpretativo profundamente pessoal, pensativo e inspirado. No coração da sua abordagem, distinta por um tratamento do texto extraordinariamente claro e preciso, existe uma resolução de uma detalhada relação com a forma musical, onde as suas interpretações crescem e se desenvolvem pela perspicuidade da inteireza rica e complexa de cada obra. Articulando a tensão interior gerada pelo corpo musical, Ivanović nunca excede a margem invisível do externo ou do profano relativamente à dinâmica da expressão, mas sim, desvela uma paisagem delicada de introspeção para a perspetiva estabelecida do ouvinte. A paleta do som, bem como uma quase-perfeita qualidade geral de estrutura e imagem sonora em projeção, são caracterizadas pela acentuada expressão intimista — como um eco de rica herança alaudista. De alguma forma, isso foca a atenção para a plasticidade em relação à proximidade do enquadramento da singularidade estética de cada composição, dado que Ivanović sublinha elementos essenciais com o seu modo particular de comunicação, rico, sobretudo, em aspeto narrativo, mas igualmente claro e reflexivo. Por isso é que Rêverie op. 19 de Regondi brilhará com uma simplicidade espontânea e um certo charme de expressão baseada numa abordagem romântica visando a forma musical, Peças Líricas de Arregui serão marcadas pelo gesto de expansão livre de som que molda as suas camadas de relevo. A interpretação da Sonata de Bennett marcou o discurso de restrição, redução e de uma forte dinâmica interior com um extraordinário formato de som altamente preciso, que forneceu a receção total de uma obra tão complexa e tremendamente exigente na sua forma. Na Sonata de Rózsa foi interessante observar a transformação da retórica interpretativa do guitarrista, relacionada com a nitidez na separação do seu material.” (klasika.hr [Croácia], Janeiro de 2012)

A sua discografia a solo é constituída por CD Recital na Laureate Series da NAXOS (2002) com obras de Matilde Salvador, Anton García Abril, Frederic Mompou, Richard Rodney Bennett, Malcolm Arnold, Gordon McPherson e Francisco Tárrega, e por CD Mediterraneo (gravado em 2001, aguarda publicação) com obras de Boris Papandopulo, Vicente Asencio, Antonio José Martínez Palacios, Joaquín Rodrigo, Carlo Domeniconi e Mario Castelnuovo-Tedesco. Em 2013, gravou a obra Em Memória da Madrugada de Marina Pikoul para guitarra e orquestra com a Orquestra Clássica do Centro, sob a direção do maestro David Wyn Lloyd. Christopher Bochmann, Marina Pikoul, Tomislav Oliver, João Madureira, Jorge Pereira, Ricardo Abreu, Francisco Chaves e Carlos Gutkin são alguns dos compositores que dedicaram as suas obras para Dejan. Integra desde 2004, juntamente com o guitarrista grego Michalis Kontaxakis, o Duo de guitarras Kontaxakis-Ivanovich. O primeiro CD deste Duo, intitulado Les Deux Amis e gravado pelo produtor Hubert Kappel em Colónia (Alemanha), foi lançado em 2010 pela Editora KSG EXAUDIO.
Em 2005 cria o Festival Internacional Guitarmania em Lisboa do qual é diretor artístico até 2010. É desde 2007, professor de guitarra no Departamento de Música da Universidade de Évora. É doutorado em Música/Interpretação desde Março de 2015 com o tema Colaboração Entre Compositor e Intérprete na Criação de Música para Guitarra: Estudo do Processo Editorial no Repertório de Inglaterra, Croácia e Portugal.

Masterclass

Masterclass de guitarra com Odair Assad, Sérgio Assad e Françoise-Emmanuelle Denis

Masterclass

12 de Abril, 2018 (Sábado).
Horário: 14h30-18h30
Para: Estudantes de música do curso Básico ao Superior e profissionais.
Detalhes: 3 Aulas individuais de 30 minutos com cada professor.

Fazer a inscrição
Consultar preços
ODAIR ASSAD E SÉRGIO ASSAD
Os irmãos brasileiros Sérgio e Odair Assad são considerados uma referência unânime para os violonistas, criando um padrão de inovação para o violão com geniosidade e expressão.
Sua origem artística e performance inquietante vêm de uma família rica em tradição musical brasileira e de estudos com a violonista/lutenista Monina Távora (1921-2011), uma discípula de Andrés Segovia. Além de estabelecer novos padrões de interpretação, os Assad influenciaram vastamente na criação e introdução de novas músicas para dois violões. Sua incontestável virtuosidade inspirou uma ampla gama de compositores a escreverem músicas especialmente para os dois: Astor Piazzolla, Terry Riley, Radamés Gnattali, Marlos Nobre, Nikita Koshkin, Roland Dyens, Jorge Morel, Edino Krieger e Francisco Mignone.
Atualmente, Sérgio Assad está acresentando ao seu repertório, compondo música para o Duo e para vários parceiros musicais, ambos com Orquestra Sinfônica e em recitais. O Duo tem trabalhado extensivamente com artistas renomados como Yo-Yo Ma, Nadja Salerno Sonnenberg, Fernandao Suarez Paz, Paquito D’Rivera, Gidon Kremer e Dawn Upshaw.
O Duo começou a tocar violão muito cedo e prosseguiram seus estudos durante sete anos com a Dona Monina. Sua carreira internacional começou com um prêmio importante, o Young Artists Competition, em Bratislava em 1979. Sérgio reside em Chicago, Odair é baseado em Bruxelas, onde ele é professor na Ecole Supérieure des Arts.
O repertório dos Assad inclui composições originais de Sérgio, fora seus arranjos de músicas folclóricas, jazz e música latina. Seu repertório clássico inclui transcrições da grande literatura de teclado barroco de Bach, Rameau e Scarlatti, e adaptações de peças de diversas figuras como Gershwin, Ginastera e Debussy. Seus programas de turnês são sempre uma cativante mistura de estilos, períodos e culturas.
Eles também são reconhecidos como artístas prolíficos, principalmente para as gravadoras Nonesuch e GHA. Em 2001, a Nonesuch lançou “Sérgio and Odair Assad Play Piazzolla,” que mais tarde ganhou um Grammy Latino. Sua sétima gravação pela Nonesuch é entitulado “Jardim Abandonado” (2007), título de uma música de Antônio Carlos Jobim. Este disco foi indicado para o Grammy Latino na categoria Melhor Álbum Clássico, onde Sérgio ganhou o prêmio de Melhor Compositor pela sua música “Tahhiyya Li Ossoulina.”
Uma colaboração pela Nonesuch com a Nadja Salerno-Sonnenberg em 2000 apresentou uma coleção de peças baseadas em músicas tradicionais, folclóricas e ciganas do mundo inteiro. Em 2003, Sérgio Assad compôs um triplo concerto para este trio que tem se apresentado com as orquestras de São Paulo, Seattle e a Saint Paul Orchestra. No verão de 2004, Sérgio e Odair prepararam uma turnê muito especial com três gerações da Família Assad. A família apresentou um vasto leque de estilos da música brasileira, e neste espetáculo destacaram-se os pais do Duo: Jorge Assad [1924-2011] no bandolim e Angelina Assad na voz. A GHA Records lançou uma gravação e DVD ao vivo no Palais de Bruxelas des Beaux-Arts. Na temporarada 2006-2007, o Duo apresentou o “Concierto Madrigal para Dois Violões” de Joaquim Rodrigo e o arranjo de Sérgio para “As Quatro Estações de Buenos Aires” de Astor Piazzolla com a Los Angeles Philharmonic no Hollywood Bowl. Os Assad também foram o destaque na trilha sonora de James Newton Howard para o filme “Duplicity,” estrelado por Julia Roberts e Clive Owen.
Nas temporadas de 2010-11 e 2011-12, os irmãos entraram em turnê com o projeto “De Volta as Raizes” com a cantora libanesa-americana Christiane Karam, o percussionista Jamey Haddad e compositora/pianista Clarice Assad. Em fevereiro de 2011, Odair Assad realizou sua primeira turnê de violão solo concerto na América do Norte, passando por Nova York e Montreal. Sérgio Assad compôs outro concerto para o Duo, entitulado “Phases,” que estreiou com a Seattle Symphony em fevereiro de 2011. Entretanto, ele foi indicado para mais dois Grammys Latinos na categoria de Melhor Composição Clássica para as composições “Interchange” (LA Guitar Quartet e Delaware Symphony) e “Maracaipe” (Beijing Guitar Duo). No outono de 2011, cinco membros da Família Assad se reuniram novamente: Sérgio, Odair, Badi, Clarice e Carolina – para mais uma noite de clássicos e novas obras brasileiras. A turnê passou pelo Qatar, Suécia, Alemanha, Holanda (para abrir o “Brazil Festival”) no Amsterdam Concertgebouw e três concertos na Bélgica, com o finale no Le Palais des Beaux Arts, em Bruxelas.
A colaboração entre o duo e o violoncelista Yo-Yo Ma continua. Em 2003, o disco “Obrigado Brazil” foi lançado apresentando Rosa Passos, Egberto Gismonti e Cyro Baptista. Sérgio fez arranjos de diversas músicas para este disco, que em 2004 faturou um Grammy. Uma turnê mundial seguiu, culminando em concertos ao vivo na abertura de Zankel Hall, do Carnegie Hall e o lançamento de um álbum ao vivo deste concerto pela Sony. Em 2009, os irmãos participaram do disco de Yo-Yo Ma, “Songs of Joy & Peace,” que foi um grande sucesso e também contou com outras participações de diveros artistas como James Taylor e Dave Brubeck. Na composição de Sérgio, “Família,” Yo-Yo Ma é acompanhado pelas vozes da Família Assad, representadas por Angelina (mãe dos irmãos Assad), ai rmã Badi, Clarice e Rodrigo (filhos de Sérgio) e Carolina (filha de Odair). A música foi ao topo da parada da Billboard e ganhou um Grammy para Melhor Classical Crossover. Em abril de 2012, Sérgio e Odair fizeram turnê norte-americana com o Yo-Yo Ma e a pianista Kathryn Stott, com um repertório latino-americano arranjado por Sérgio como também suas próprias composições originais, com destaque para os concertos no novo Smith Center em Las Vegas e o Symphony Hall em Chicago.
Em outubro de 2012 na Pro-Music Chamber Orchestra em Columbus (Ohio), o Duo estreiou um novo concerto para dois violões, feito para eles por Clarice Assad, a filha de Sérgio. Logo depois, os irmãos voltaram a University of Arizona in Tucson como artistas visitantes com o apoio da D’Addario Family Foundation. Eles foram a atração principal do 4th International Tucson Guitar Festival com duas apresentações no Holsclaw Hall e master classes para estudantes de violão avançado. Na primavera de 2013, Sérgio e Odair planejaram uma outra turnê com o inimitável Paquito D’Rivera, assim como um lançamento de um disco do seu projeto “Dances from the New World.” Em 2014, os irmãos embarcam em uma turnê brasileira que comemora 50 anos de carreira. Em 2015, a turnê continua, culminando no total de 27 cidades brasileiras.

FRANÇOISE-EMMANUELLE DENIS
Françoise-Emmanuelle Denis nasceu em Bruxelas, Bélgica. Concluiu duas graduações, a primeira pelo Brussels Royal Conservatory of Music e a segunda, em Musicologia, pela Université Libre de Bruxelles. Durante dez anos fez concertos em duo de guitarra e neste período acabou por gravar dois álbuns com instrumentos de época.
Durante quinze anos ensinou guitarra e história na Schaerbeek Academy of Music. Desde 1994, tem trabalhado como assistente para o virtuoso guitarrista brasileiro Odair Assad, no Mons Royal Conservatory, na Bélgica.
Enquanto produtora de rádio, Françoise-Emmanuelle Denis trabalhou durante nove anos na rádio pública Belga RTBF, especializando-se em guitarra clássica e música clássica Sul-americana.
Fundou, em 1983, uma sociedade de guitarra e durante cinco anos organizou concertos, conferências, palestras, exposições e gravações. Depois, em 1988 – já lá vão 30 anos!… – fundou a GHA Records – a editora da guitarra – e tem sido desde então a diretora artística e produtora de mais de 70 álbuns, tanto para a sua editora como para outras. Enquanto produtora, em 2007 venceu um Grammy.
Desde 2001, enquanto voluntária, Françoise-Emmanuelle Denis tem dado treino em música experimental para centenas de crianças numa escola primária em Bruxelas e ainda “Recitais de Guitarra Especiais” para adolescentes. Representando Mons Royal Conservatory, integrou durante dois anos o projeto ITAE (Intervenção Através da Educação Artística) juntando universidades de onze países europeus. Em 2010, fundou a “Association Roger Langbehn pour l’éducation par les arts et le respect de la nature”.

Preços

Masterclasses com workshop

Aulas individuais de 30 minutos + 1 hora de aula em grupo.

Participantes, Alunos do Conservatório de Viseu 20€
Participantes, Alunos Externos 30€
Ouvintes 5€

Masterclass de Guitarra
(Irmãos Assad e Françoise-Emmanuelle)

3 Aulas individuais de 30 minutos com cada professor.

Participantes, Alunos do Conservatório de Viseu 80€
Participantes, Alunos Externos 120€
Ouvintes 5€

Inscrições

Para participar numa das nossas formações necessita de preencher este formulário.
Caso existam dúvidas pode contactar-nos para o email masterclasses@musicadaprimavera.pt.

Pagamento

O pagamento, sem o qual a inscrição não é válida, deverá ser feito através de transferência bancária e o respetivo comprovativo enviado para o email masterclasses@musicadaprimavera.pt.

Em alternativa, para aqueles que têm possibilidade de o fazer, poderão efetuar o pagamento presencialmente na secretaria do Conservatório Regional de Música Dr. José Azeredo Perdigão.

Os dados para transferência bancária são:

N.º 0045 3180 40033211014 78
IBAN: PT50 0045 3180 40033211014 78
N.º Swift: CCCMPTPL