DSCF1825

Ars Luxurians & Tadeu Filipe

8 Abril, 2017 pelas 21h00 (sábado)
na Igreja da Misericórdia


Entrada: 5€ ou 2.5€ para público afeto ao Conservatório

Programa

G.F. HANDEL (1685-1759)
Cantata para baixo, dois violinos e baixo contínuo “Spande ancor”
Sem indicação de tempo
Recitativo
Allegro

J. PODBIELSKI (1680-1730)
Prelúdio (órgão)

F. ARRESTI (1667-1717)
Elevazione (órgão)

G.P. TELEMANN (1681-1767)
Concerto para viola, cordas e baixo contínuo em Sol Maior
Largo
Allegro
Andante
Presto

ANÓNIMO. (séc. XVIII)
Sonata em Dó maior (órgão)

C. SEIXAS (1704-1742)
Toccata em Sol menor (órgão)
Moderato
Giga
Minuet

A. VIVALDI (1678-1741)
Concerto para violino, cordas e baixo contínuo em Ré menor RV 249
Allegro – Adagio – Presto
Adagio
Allegro

B. GALUPPI (1706-1785)
Sonata em Ré menor (órgão)
Andante
Allegro
Largo
Allegro e spiritoso
F. Larrañaga
Sonata 5º tono (órgão)

A. VIVALDI (1678-1741)
Motete para soprano, cordas e baixo continuo “In Turbato Mare Irato” RV 629
Allegro
Recitativo
Largo
Allegro Aleluia

Mecenas: Igreja da Misericórdia

logo_misericordia_cores300

Ficha Artística

Ars Luxurians
Violinos barrocos: Luís Peres,
Leonor Bravo e Débora Cerqueira
Violeta barroca: Diana Luís
Viola de Gamba: Ana Sousa
Cravo: Margarida Balula
Barítono: Daniel Simões
Soprano: Paulina Sá Machado

Órgão: Tadeu Filipe

Biografias

ARS LUXURIANS
O ensemble Ars Luxurians nasceu em fevereiro de 2015 com o intuito de divulgar o património musical dos séculos XVII e XVIII europeu. Os seus membros fundadores, Luís Peres, Margarida Balula e Débora Cerqueira organizaram uma série de concertos nesse mesmo ano com performances musicais em instrumentos musicais originais do período barroco ou cópias fieis dos originais. Tendo início apenas com dois violinos barrocos e cravo, o grupo foi crescendo e neste momento acata uma formação de orquestra de cordas barroca (três violinos e violeta) com baixo contínuo (viola da gamba e cravo ou órgão positivo). Para este concerto, conta ainda com a colaboração de dois cantores líricos.
O grupo apresentou-se já nas cidades de Viseu (Orfeão de Viseu, Museu N. Grão Vasco), Oliveira de Frades (Museu Municipal), Carregal do Sal (Centro Cultural), Coimbra (Museu N. Machado de Castro, Convento de S.ta Clara a Velha), Vila Real (Festival Music’alvão), Sintra (Festival in’timus), Mafra (Festival in’música), tendo tido uma receção fervorosa do público.

TADEU FILIPE
Tadeu Filipe (n. 1972), natural da cidade de S. Paulo (Brasil) iniciou os seus estudos musicais na Academia de Música Óscar da Silva em Matosinhos, onde estudou piano com os Profs. Jaime Mota e Álvaro Teixeira Lopes, prosseguindo os seus estudos no Conservatório de Música do Porto com o Prof. Vitali Dotsenko.
A sua formação específica em órgão teve o seu prólogo na Escola Diocesana de Ministérios Litúrgicos do Porto na classe da Prof. Rosa Amorim. É licenciado em Ensino de Música (Órgão) pela Universidade de Aveiro sob a orientação do Prof. Domingos Peixoto e obteve na mesma Instituição a Pós Graduação na classe da Prof. Edite Rocha.
Por diversas vezes teve a oportunidade de frequentar cursos internacionais onde pôde contactar com personalidades como: Antoine Sibertin-Blanc e Jesus Gonzalo Lopez (Festival Internacional de Música de Aveiro), José Luís Uriol (Festival de Música de Daroca), Ton Koopmann (Bach Festival Kurs em Leipzig), Andrés Cea Gálan, J.C.Zehnder, Brett Leighton (Academia de Órgano de Andalucía). Paralelamente ao estudo de órgão frequentou o Curso de Cravo no Conservatório de Música de Coimbra sob orientação da Prof. Cândida Matos, os Cursos Internacionais de Música Antiga (CIMA 2015 – 2016) com a supervisão do Prof. João Paulo Janeiro; o Curso de Direção Polifónica na LVIII e LIX Semana de Estudos Gregorianos com o Prof. Paulo Brandão.
Tem-se apresentado regularmente em vários pontos do país integrado nas atividades do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro, no Ciclo de Concertos “Jovens Organistas em Aveiro”; nos Concertos Quaresmais organizados pela Plurifonia 2001; Concerto inaugural, após restauro, do órgão histórico da Igreja Paroquial de Adaúfe (Braga); em Penajoia (Lamego) em 2002 e S. João de Lobrigos (Santa Marta de Penaguião) em 2005; no Festival de Órgão 2002 e 2004 em Mafra, VIII Festival Internacional de Música de Mafra, nas Jornadas Europeias da Cultura e Património 2005, no Ciclo Ecos do Órgão (Coimbra 2010 e 2011), no Festival de Órgão de Algarve 2016, bem como no estrangeiro.
Foi organista titular do órgão histórico da Igreja Paroquial do Bom Jesus de Matosinhos (1993-2006), responsável pelo Departamento de Música Sacra e pelo Ciclo de Música Antiga para Órgão realizado naquele templo (1998-2005).
Em 2003, assume a tarefa de coordenar a música litúrgica em diversas paróquias da Diocese de Vila Real e Bragança – Miranda. Desde 2010 é organista da Igreja da Santíssima Trindade no Porto após convite da atual reitoria. Em 2011, participa na gravação do projeto Lusitana Organa na Igreja de Semide (Miranda do Corvo).
Atualmente frequenta o Mestrado em Cravo (performance) na Escola Superior de Artes Aplicadas (Castelo Branco) sob a supervisão do Prof. João Paulo Janeiro.
Leciona a disciplina de órgão no Conservatório Regional de Música de Vila Real bem como no Conservatório de Música e Dança de Bragança onde é responsável pelo Ciclo de Música Sacra e membro da Direção Pedagógica. Colabora, ainda, com o Seminário do Bom Pastor (Diocese do Porto).

O concerto em fotografias